O Planeta TV

Emocionante, Bom sucesso encanta e agrada em cheio ao público

Ex-BBB se torna referência na dramaturgia.

Por: Jeferson Cardoso

Cena emocionante de Bom Sucesso/TV Globo

Gente, cá entre nós noveleiros, às vezes, subestimamos algo sem saber do que se trata. Ou até mesmo condenamos algo por algum vacilo. As produções da TV vivem de altos e baixos e são julgadas o tempo todo. Atualmente, com as redes sociais, somos como técnicos, jurados. E de diferentes tipos: ranzinzas, egoístas, exigentes, intoleráveis... O que agrada uns, desagrada a outros. Vice-versa.

Ser julgado o tempo não todo, certamente, não é fácil. Pois bem, é assim a vida de quem trabalha e de quem faz TV. 

“Verão 90” e “Bom Sucesso” dois sucessos de audiência, de público, de crítica (seja ela negativa ou otimista). Porém, enxergadas/analisadas de formas diferentes. Enquanto uma, que tinha uma história rasa, fez sucesso porque apostou em referências à década de 80 ou 90, a outra vem encantando porque tem VIDA, ALMA!. É a minha visão entre as duas novelas. No quesito qualidade, enxergo um abismo entre elas. E isso não quer dizer que considero “Verão 90” ruim, apenas que ela deveria ter tido um melhor acabamento.

Há muito tempo não assistia à uma novela como “Bom Sucesso”. Para falar a verdade nem lembro quando foi a última vez. Quem diria! Nunca Pensei! É um sonho?.

Quem acompanha este espaço sabe como amei e vivi intensamente Totalmente Demais. Para mim, ao lado de Tititi, é uma das melhores novelas produzidas nesta década de 2010 na faixa das sete.  

Esperava que fosse gostar de “Bom Sucesso”, mas não de forma tão intensa, imediata. Ainda é cedo para erguer as mãos e louvar à Santa Clara, mas não posso deixar passar em branco as emoções que vivi com os primeiros capítulos do novo trabalho da dupla Rosane Svartman e Paulo Halm

Paloma (Grazi Massafera). Foto: Reprodução/Globo

Grazi Massafera, até então vista apenas como ex-BBB, vem dando vida à uma das mocinhas mais encantadora dos últimos tempos. Um show de entrega e atuação. Julgada e condenada por muitos no passado, Grazi torna-se referência e vive o seu melhor momento na TV. É incrível como esta profissional consegue ir do drama ou humor sem “perder o rebolado”. A sua Paloma, ao mesmo tempo que emociona, diverte. 

Os autores, assim como em Totalmente Demais, dividirá a torcida do público. Paloma ficará com Ramon ou Marcos? Em seis capítulos, eles deixaram boa parte em cima do muro. Se eles seguirem a mesma linha de pensamento da obra anterior, a mocinha ficará com.... calma! Vamos viver sem pensar no dia de amanhã. A única certeza, diante da ótima química de Paloma com os dois rapazes, é de que o último capítulo não agradará a todos.

O primeiro encontro de Marcos (Romulo Estrela) e Paloma. Foto: TV Globo

O texto de “Bom Sucesso”, que valoriza o universo da literatura e leva à reflexão, é primoroso. A sintonia entre o elenco, diretores e autores é nítida no ar. Antonio Fagundes, que há anos não emplacava um personagem querido do público, surpreende com uma atuação moderada, sem exageros, manias, sotaques e trejeitos. Enfim, parece que estudou para dar vida ao papel. Aleluia!!! 

Aclamei a atuação de Grazi e agradeci a entrega de Fagundes. Poderia falar de cada um personagem porque tudo nesta novela me entusiasma, mas o texto ficaria extenso. Espero ao longo dos próximos seis meses continuar tendo o prazer em assistir e comentando sobre alguns papéis/intérpretes. 
 
Que a primeira semana de “Bom Sucesso” não seja uma ilusão. Que siga, até janeiro, como uma obra prima. Por ora, está sendo. Nunca pensei mesmo!

A virada “parcial” de A Dona do Pedaço

A esperada reviravolta em “A Dona do Pedaço” começará no capítulo 67, que irá ao ar nesta segunda (05/08). Depois de uma “barriga” (semanas de enrolações), a mocinha Maria da Paz (Juliana Paes), considerada tonta, dará uma surra em Josiane (Agatha Moreira), após descobrir parte do golpe aplicado por ela. 

Walcyr Carrasco, no entanto, continuará segurando a história de Maria da Paz. Só daqui a duas semanas, após a surra, é que Maria da Paz pegará a filha na cama com seu marido.

Enquanto isto, o autor seguirá apostando em Vivi (Paolla Oliveira) e Chiclete (Sérgio Guizé). 

Maria da Paz (Juliana Paes) bate em Jô (Agatha Moreira). Foto: TV Globo

Tudo nesta novela anda, mesmo a história central. Uma pena.

Vilã comedida

Não consigo apreciar “Órfãos da Terra”. Infelizmente, as autoras (Thelma e Duca) são muito repetitivas. Penso que elas precisam sair de suas zonas de conforto. Primeiramente, acredito, que elas deveriam criar sinopses com tramas paralelas mais interessantes. 

Acho que o maior erro de “Órfãos da Terra”, apesar da fraca narrativa, foi ter deixado de lado o casal de protagonistas após o primeiro mês. Ou melhor, após a morte de Aziz (Herson Capri). 

Dalila (Alice Wegmann), que prometia tocar o terror, demorou para agir e apresentou-se como uma vilã comedida, de ações óbvias. 

Apesar de algumas viradas, que vem apresentando há uma semana, “Órfãos da Terra” ainda parece uma novela insossa. Alguma coisa não deu liga. Ou seria falta de bom gosto de minha parte?. Pode até ser. Entretanto, raramente, leio ou vejo elogios à obra. Estranho.

A Lola de Gloria Pires

Para gravar a primeira fase de “Éramos Seis”, Gloria Pires não mudou o visual. Em uma foto divulgada pela Globo, a atriz aparece usando um chapéu e até sorrindo (estranho). A Lola de Gloria Pires será tão intensa como foi a interpretada por Irene Ravache?. Espero que sim.

A escolha de Pires, no meu ponto de vista, para a versão da Globo foi um acerto. 

Apesar de ser contra a produção de um remake de remake, acho feio para o padrão da Globo (se é que ainda tem padrão), não irei torcer para o fracasso do folhetim. As comparações serão inevitáveis. O público, carente de obras inéditas, poderia ser poupado disto. 

Que o remake de “Éramos Seis” não seja apenas mais uma na faixa das seis da Globo. Que seja lembrada como foi, ou melhor, como é a versão produzida pelo SBT em 1994.

Gloria Pires caracterizada como Lola. Foto: Raquel Cunha/TV Globo

É isso. Gostaram dos primeiros capítulos de “Bom Sucesso”? O que esperar das reviravoltas de “A Dona do Pedaço”? Tudo, menos coerência. Né? Por que será que “Órfãos da Terra”, apesar de alguns ajustes, não consegue, com facilidade, manter índices significantes de audiência? E será que a versão de “Éramos Seis” da Globo surpreenderá (e marcará gerações) como foi a produzida pelo SBT?

Obrigado pela atenção e até o nosso próximo encontro! ;)



Publicidade

Comentários (17) Postar Comentário

Eduardo comentou:

Grazi massafera surpreendendo Natalia do Valle. Como é a vida. Um dia está em cima outro em baixo. Parabéns globo pela excelente novela.


Ana Paula respondeu:

O fã clube Natalia do Vale de Niterói torce muito para que Natalia e Grazi façam as pazes, inclusive trocando seus cosméticos como prova de confiança. Elas precisam resolver esse entrave cármico para não levar para a próxima vida. Vamos propor também uma trégua com o fã clube Grazi Massafera, mas Natália é mais bonita. Ai, tão linda.


Felipe comentou:

Ola Jef, Estou igual a você, amando e vivendo esta Bom Sucesso. Realmente a química da Grazi e Romulo Estrela e David Junior é demais. Eu torço tenho uma tendencia de torcer pelo Ramon, mas ainda estou dividido.
Achei sem graça essa foto da Gloria Pires. Vai ser difícil a Globo superar a qualidade e marcar o povo como foi a versão do SBT. Torco apenas para que seja melhor que a atual "Órfãos da Terra".


Alex respondeu:

A Éramos Seis do SBT marcou tanto que teve que ser relançada e até passava em dois horários para ver se dava mais audiência. Fez tanto sucesso e nunca ganhou de A Viagem, aliás um sucesso que marcou a história do horário das 19 da Globo. É claro que a versão da Globo será superior.



Robson respondeu:

Não vai e nunca será superior


Sandro comentou:

Oba, lá vem as viradas do Walcyr. Que venha os 40 pontos nem que se de pico!!!

Michelle comentou:

Realmente, essa personagem da Grazi, a atuação dela, e o texto desta novela são diferenciados.

Micael Constantino comentou:

Essa novela é da Grazzi Massafera. Hj em dia, são raras as protagonistas que catalizam a história para si e os autores fizeram com sucesso e maestria juntamente com as paralelas tb estão recheadas de boas histórias para se contar. Desejo que continue no auge!

Amanda Josiane Cristal comentou:

A globo deveria ter feito uma releitura de Éramos seis e não um remake.


Jeferson Cardoso respondeu:

Amanda, concordo com você. Deveria usar o livro, e não o remake do SBT. É complicado.


Anonimo comentou:

Oi Jeferson tudo bem, sinceramente esse ano e da Grazi e nao tem para ninguem. A novela e encantadora, os personagens nao sao tao melodromaticos, escancaram palavroes sem pestanejar. Espero que os autores nao estragam a trama com barrigas, como varias novelas, que comecaram bem depois se tornaram fiascos como I love Paraisopolis e o tempo nao para. A Grazi botou Juliana Paes e Paola Oliveira no chinelo, que vem deixando muito a desejar com suas atuacoes em a dona do pedaco. E quanto a Gloria Pires, ja estava mais do que na hora , de ter um personagem a altura do seu talento.

Ana T comentou:

É preciso destacar também que os autores/diretores de Bom sucesso, diferente da maioria dos diretores/autores atuais não repetiram o elenco, ou seja, se for reparar, não tem quase nenhum atore que está em Bom sucesso e que atuou tbm em Totalmente Demais.

paulo comentou:

bom sucesso realmente é uma novela maravilhosa. Grazi tá dando um show, Fagundes também. tem tudo pra ter o mesmo sucesso de público e crítica igual totalmente demais.

Alex comentou:

Bom Sucesso também tem uma história rasa. É uma boa novela, mas é só! Aguardo o desenrolar da história. Até agora só a ótima interpretação da Grasi e vários atores e atrizes fracos.
Na verdade não entendo a alta audiência, mesmo sendo fã da Globo, da novela. Talvez a ótima entrega de Verão 90 e a história água com açúcar que conquistou o público.
Torço para o sucesso da novela!


Jeferson Cardoso respondeu:

Os personagens de Bom Sucesso, tem VIDA, ALMA. Talvez seja a diferença entre ela e sua antecessora. Rs


Veja também

Publicidade