O Planeta TV

Após a frustração com Segundo Sol, o que esperar de O Sétimo Guardião?

A volta do realismo fantástico à faixa das 21h.

Por: Jeferson Cardoso

Os protagonistas de O Sétimo. Foto: TV Globo

João Emanuel Carneiro prometeu muita coisa em Segundo Sol, mas a novela que terminou na sexta (09/11), certamente, frustrou não só os fãs que admiravam o autor como também a grande maioria do público que acompanhou o folhetim.

Inicialmente, lá no lançamento de Segundo Sol, o autor concedeu algumas entrevistas. Em uma delas, no Gshow, ele prometeu algumas coisas que não saíram do papel, tal como uma “linda história com a redenção do Roberval”. Já a Globo, nas chamadas, vendeu uma novela com um cantor de axé como protagonista. Beto Falcão, defendido muito bem pelo excelente ator Emílio Dantas, em alguns momentos, virou figurante. A história dele, na verdade, só teve função na primeira fase da trama. Na segunda fase, o público não acreditou na narrativa que João Emanuel Carneiro apresentou. Ele queria que, em pleno século 21, os telespectadores acreditassem que os moradores de Salvador venerassem um cantor de axé fracassado, de shows vazios. A família do cantorzinho ficou rica com direitos autorais de músicas, após uma falsa morte... Não convenceu, JEC teve que mudar. E quando precisa mexer, fugir da premissa, da ideia original, o bicho pega. O roteirista já confessou que não sabe fazer ajustes. De fato, vimos isto em A Regra do Jogo e nos convencemos, de forma absurda, com Segundo Sol.

Nas alterações, JEC destruiu alguns personagens, como Rosa (Letícia Colin) e Laureta (Adriana Esteves). Segundo Sol, de apenas 155 capítulos, andou em círculos durante todo o seu percurso. Acredito que o principal motivo disto foi o fato de ter pouquíssimas tramas paralelas, núcleos que o dramaturgo também não sabe desenvolver. JEC é muito bom nas tramas principais, que são ágeis, já os papéis secundários são chatos e, às vezes, irritantes. É assim desde a sua primeira novela (Da Cor do Pecado). 

Laureta (Adriana Esteves). Foto: Reprodução/TV Globo

Na reta final, JEC, que já não tinha mais o que apresentar, uma vez que já estava sem criatividade, pensou num papel para Renata Sorrah brilhar com uma ótima atuação. Uma pena que a personagem concedida à ela foi muito ruizinho, fraquinho, sem sentindo na trama. Ficou duas semanas dando vida à uma doida, engraçadinha e bobinha ao mesmo, mas que não serviu para absolutamente nada. Apenas para que o autor pudesse empurrar para a última semana os desfechos de Laureta, Karola e Remy. A personagem de Sorrah foi tão tosco que teve um final ridículo. Foi criado sem planejamento. Por que o autor não fez o reencontro da louca com o pai de Laureta, Nestor (Francisco Cuoco)? Porque não estava no script, foi pensado em cima da hora. Simples. A história de Laureta, após o capítulo 100, foi para o fundo do poço. 

Infelizmente, Segundo Sol foi uma frustração. Não sei se foi melhor ou pior do que A Regra do Jogo. As das foram ruins, de certo que sim. 

JEC precisa descansar, tirar alguns anos de férias. Ou pedir ao seu padrinho, Silvio de Abreu, para que seja remanejado para as superséries, na faixa das 23h. Desanimado e sem criatividade, pode ter certeza que ele não agradaria nem ao público da faixa das 19h.

Lá no início, JEC também prometeu que Segundo Sol seria uma novela mais humana e solar. No ar, vimos uma trama pesada, violenta, de xingamentos, gritarias. E parecia que recebia orientações de Walcyr Carrasco porque os personagens a cada semana mudavam de personalidade. Rosa um dia era santa, no outro bandida, no outro mulher da vida... Citarei apenas ela como exemplo, do contrário esse post ficaria gigante uma vez que estou falando de uma novela de personagens inconsistentes. 

Talvez, chateado com as críticas, JEC resolveu que Rosa terminaria com Valentim (Danilo Mesquita). Ela ficou 155 capítulos sofrendo por Ícaro (Chay Suede). Pode isto? Sim, ele é o autor e faz o que bem quiser. Dane-se a coerência, coisa que Segundo Sol nunca teve. 

Segundo Sol foi uma novela de boas atuações, porém de personagens horríveis. Até um determinado momento, por volta do capítulo 30, o texto era bom, depois perdeu a qualidade. Na época, fui um dos primeiros a observar isto e compartilhei do meu pensamento aqui. Para esta novela dou uma nota 6. Só não vai levar um 5 porque até o capítulo 100 admirei Laureta. Amava esta personagem. Uma pena que se perdeu. É triste. Frustrante. 

Finalizando, preciso destacar as ótimas atuações e dedicações de Deborah Secco e Armando Babaioff. Seus personagens foram desastres, mas os intérpretes arrasaram em cena.

A volta do realismo fantástico!

O Gato Léon. Foto: Reprodução/Globo

Agora, falarei um pouco sobre a expectativa por O Sétimo Guardião. Serei cauteloso, até mesmo porque sei pouco da história. As chamadas não falam das tramas paralelas e não explica, muito bem, a história principal. Sabe-se apenas que um dos guardiões irá morrer e outro terá que substituí-lo. No caso, o Léon, o Gato misterioso, escolheu Gabriel (Bruno Gagliasso). Com base, apenas nisto, não posso criar uma grande expectativa. 

Porém, devo acreditar que Aguinaldo Silva venha com uma novela ágil, como Império e com personagens carismáticos, engraçados, divertidos e com uma história otimista, para cima. 

Aguinaldo Silva (o MAGO) é o meu autor favorito, mas nem por isso sou obrigado a venerá-lo. O que, pra mim, de fato importa é a história apresentada. Eu sou fã, mas sou telespectador e não funcionário ou filho dele para acatar tudo o que ele faz. A ele, sou grato por tudo que já fez na dramaturgia, com exceção de Suave Veneno e Fina Estampa (do meio para o fim foi horrível). 

O meu medo é de que aconteça o mesmo que aconteceu com os fãs de JEC. O da frustração. No entanto, eu confio no talento de Aguinaldo Silva. Ele é um autor que não se acomoda. Império, para mim, foi inacreditável. A narrativa, tipo filme, surpreendeu-me. Obviamente que não foi uma novela redonda, mas ali conheci um outro Aguinaldo, de texto de primeira qualidade, criativo, e com uma novela com uma pegada de série, sem perder sua essência de uma novela. A história do Comendador foi conduzida, do início ao fim, de uma forma brilhante. 

Espero que O Sétimo Guardião tenha a mesma agilidade de Império e que Aguinaldo Silva esteja inspirado e disposto a dar a todos, sem exceção, o destaque merecido. O elenco é de primeira. Torço para que também tenha poucos personagens chatos. Em Império não suportava Xana (Ailton Graça).

Luz (Marina Ruy Barbosa) em cena de O Sétimo Guardião. Foto: TV Globo

Pelas chamadas, acredito que o primeiro capítulo de O Sétimo Guardião será bem interessante. Aliás, Aguinaldo Silva escreve muito bem os primeiros capítulos de suas novelas. Ele apresenta bem os personagens e, normalmente, prende a atenção do telespectador de imediato. 

Fiquei muito feliz quando soube que Aguinaldo voltaria para o realismo fantástico. Não vejo isto como retorno ao comodismo, pelo contrário. Ele, espertíssimo, viu que o saudosismo ou referências que remetem coisas do passado estão em alta. Hoje, as novelas não tem a mesma dinâmica das exibidas há 10 anos, por exemplo. Uma novela, com realismo fantástico e ritmo de seriado, tem tudo para marcar época. Também pode ser que não dê certo, porém só sabe se arriscar.

Sei que algumas pessoas não curtiram o remake de Saramandaia. Porém, o realismo fantástico de Aguinaldo, pelo menos no meu ponto de vista, não tem nada a ver com os de Dias Gomes. 

Em O Sétimo Guardião, por mais que seja ambientada em uma cidade fictícia, Aguinaldo, certamente, irá apostar em todos os elementos presentes em obras realistas e com temas bem atuais. Vai ser interessante acompanhar uma novela que fará referências as outras (como Fera Ferida, Pedra Sobre Pedra e A Indomada). Talvez, acompanharemos um remake com um pouco de cada. Em Pedra Sobre Pedra, uma borboleta virava um homem. Em Sétimo será um Gato. 

Estou animado, esperançoso, pronto para dar boas risadas com as rixas entre as beatas e as quengas. E preparado para aplaudir Lília Cabral, uma atriz extraordinária. E adorei a química entre Bruno Gagliasso e Marina Ruy Barbosa. 

No quesito ibope, O Sétimo Guardião, na estreia, talvez, atingirá um índice inferior em relação ao lançamento de sua antecessora. O Sétimo terá que convencer o público que se decepcionou com Segundo Sol. Talvez isto não aconteça de imediato. Porém, se Aguinaldo apresentar, de cara, uma história impactante e interessante pode ser que consiga, no primeiro mês, ficar na casa dos 30 a 32 pontos de médias semanais. Abaixo disto, é “sinal amarelo” ou “sinal de algo não deu certo”.

Se fizer por merecer, torcerei para que O Sétimo Guardião seja um sucesso. No momento, não sei nem quanto “chutar” para a estreia. O importante mesmo é se manter estável para conseguir ter uma boa média final. 

Na audiência, pode ser que O Sétimo Guardião, devido ao período em que será exibida, pegando um feriado na semana de estreia, Natal, Ano Novo e o Carnaval, fique com uma média inferior ao de Segundo Sol (33,5 pontos). Tudo pode acontecer. Walcyr Carrasco, com O Outro Lado Paraíso, pegando os mesmos feriados, conseguiu saltar de 28 pontos para incríveis 38,5 (de janeiro em diante).  

A minha preocupação, como telespectador, a princípio, é que os primeiros capítulos de O Sétimo Guardião sejam ótimos e de qualidade. Poderá até acabar, em maio ou junho, com média inferior ao de Segundo Sol, desde que tenha um roteiro, texto e qualidade superiores. Espero gostar da novela e vive-la intensamente. Amém!.

É isso. Gostaram do último capítulo de Segundo Sol? Porque João Emanuel Carneiro perdeu a mão e não manteve a qualidade da novela até o fim? Ele merece um terceira chance, na faixa das 19h ou às 23h? E o que esperam de O Sétimo Guardião? A audiência será superior ao de Segundo Sol? Quais as apostas para a média do primeiro capítulo? Gostam de obras com realismo fantástico?

Obrigado pela atenção e até o nosso próximo encontro. ;)



Comentários (30) Postar Comentário

Alecsandro comentou:

Adeus Segundo Sol, finalmente acabou. Estou com pé atrás com Sètimo porque a divulgação está muito fraca. A Globo não sabe mais fazer promoção de suas novelas. Não explica nada da histórias, nem dos personagens. Tomara que seja uma boa novela, principalmente com leveza e emoção.


Jeferson Cardoso respondeu:

Alecsandro, também espero que O Sétimo seja uma novela agradável, para cima, com drama, mas com mensagem otimista. E, claro, coerente dentro do universo (realismo fantástico) proposto.


Maria de Fátima comentou:

Odiei a final de Segundo Sol, apesar de ter gostado dela. Não fará falta. Minha aposta para a estreia da novela do Aguinaldinho é de 31 pontos. Só deve subir em janeiro.


Jeferson Cardoso respondeu:

Maria, 31 pontos é um número baixo. Mas diante da frustração dos fãs de Segundo Sol talvez isso seja possível. O importante é, depois da estreia, se manter estável.


Flávia comentou:

Não sou muito fã do universo do Aguinaldo Silva, mas adoro Lília Cabral. Vou espiar, se eu gostar assistirei. Segundo Sol foi a pior novela de João Emanuel Carneiro. Não comparo ela com A Regra do Jogo mas sim com O Outro Lado do Paraíso. Elas disputam o posto de novela mais surtada e sem lógica já produzida pela Globo.

Luciano comentou:

Gostei de Segundo Sol só que infelizmente não foi marcante. Parece que a direção nova não combinou com o autor sei lá. As chamadas de O 7º Guardião não são atraentes mas tem uma elenco muito bom. Se a história for boa, pode até começar mal no ibope que depois sobe.


Jeferson Cardoso respondeu:

Luciano, acho que depois de três semanas os índices de O Sétimo Guardião já não serão mais de responsabilidade de Segundo Sol. E sim da aceitação da história de Aguinaldo Silva.


Lucas Junior comentou:

Não gostei de Segundo Sol nem da atuação de Deborah Secco. João Emanuel Carneiro deveria escrever filme, não sabe fazer novela.
O Sétimo Guardião se não começar bem não será culpa da antecessora. Na primeira semana pode até ser um pouco revolta do público da anterior, mas a partir da segunda semana será de responsabilidade de Aguinaldo Silva.

julia comentou:

É horrível segundo Sol,João não vai mais fazer novela Boa,não tem salvação!Aguinaldo Silva vai fazer uma grande novela,a audiência pode não ser alta,por conta dos baixos índices de segundo Sol e dos feriados e po ser final do ano que enfrentará,mas acredito nessa novela!


Jeferson Cardoso respondeu:

Júlia, também acredito. E torço para que o ibope, no início, seja acima dos 30 pontos.


Mário Ticudo comentou:

Segundo Sol foi um desastre. Mas se formos parar para pensar, com exceção da excelente A Força Do Querer, todas as recentes novelas têm sido horríveis: Babilônia, A Lei do Amor, A Regra Do Jogo, O Outro Lado do Paraíso etc. E o culpado tem um nome: Sílvio de Abreu. Podem reparar que, desde que ele entrou, o nível das novelas despencou vertiginosamente. Ele nivela o telespectador por baixo, subestima sua inteligência e presume equivocadamente que quem está do outro lado da tela está afim de ver lixo. Então eles estão entregando lixo para o telespectador. Sinopses horrendas, roteiros fracos, mal desenvolvidos, porcos, preguiçosos, feitos às pressas, com situações forçadas e esdrúxulas apenas para preencher espaço e enrolar quem está assistindo. Segundo Sol apenas seguiu a risca esta cartilha. E é assim que Walcyr Carrasco irá emplacar já uma outra novela, pois não há mais preocupação com capricho e elaboração na preparação de uma novela: basta escrever qualquer bosta e colocar no ar. Eu há muito tempo não sigo mais as novelecas da Globo. Muitas vezes a TV fica ligada sozinha e eu fico pescando uma coisa aqui e outra ali, e me surpreendo com o nível rasteiro das novelas atuais. Sílvio de Abreu se esqueceu do que consagrou o gênero telenovela, que já lançou inúmeros sucessos que até hoje estão vivos na nossa memória: bons textos, criatividade, excelentes atores em cena, planejamento, continuidade, naturalidade etc. Hoje tudo isso se perdeu. A novela se transformou num mero fast-food, consumo rápido. Daqui a alguns anos, o conteúdo de hoje jamais poderá ser objeto de reprise, pois ninguém vai querer ver essas porcarias uma segunda vez. Quanto ao Sétimo Guardião, eu não escondo que acho o Agnaldo Silva um enrolador e canastrão. Não é por acaso que há até o risco que essa novela seja barrada na justiça, pois é fato notório que os verdadeiros autores dela são os alunos a quem o Agnaldo enganou. Não gosto desse tipo de novela que viaja na maionese e nem acredito que nos dias de hoje isso funcione. Estou torcendo para ser um fracasso e irei rir muito com a desgraça do Agnaldo.


Eu respondeu:

Só p lembrar o outro lado do paraíso foi a maior audiência desde avenida Brasil até aclamada a força do querer ficou 3 pontos atrás nem o emy quis saber.



Jeferson Cardoso respondeu:

Mário, O Sétimo não tem risco de ser barrada pela Justiça. Isso aí é problema entre o autor e um determinado aluno, que será resolvido na Justiça. Segundo Sol foi uma novela de nenhuma coerência e conseguiu 33/34 pontos. Penso que o povo quer uma novela otimista, de uma boa premissa. Foi assim que Walcyr Carrasco virou o jogo e fez de O Outro Lado um fenômeno.



Amigotvtudo respondeu:

CONCORDO COM TUDO QUE DISSE MARIO EXCETO ESSE FINALZINHO SARCÁSTICO!


Murilo Caetano comentou:

Jeferson, é justo conceder a João Emanuel um desconto. "Segundo Sol" era para estrear agora, novembro, sua produção teve início, praticamente, um ano antes, credito a isto a falta de planejamento da trama. Tudo foi muito corrido. João não tevê sorte, a novela foi ao ar com diversas polêmicas. Acredito que ele merece um bom tempo de férias, e torço para que sua próxima trama seja às 23 horas.


Noher respondeu:

Aonde que OOLDP foi uma novela excelente? KKKKKKKKKKKK pode ter sido excelente em números de audiência, mas de resto... Os únicos pontos positivos da novela foram a volta da Claro e o assassinato do pedófilo. Pare de se contradizer, Jefferson. Você mesmo criticou a novela do Walcyr diversas vezes. bjs



Jeferson Cardoso respondeu:

Noher, não entendi sua crítica. Tenho pavor de OOLDP. E foi neste sentido que disse que JEC estava seguindo orientações dele, porque Segundo Sol não tinha lógica e coerência.



Murilo Caetano respondeu:

Jeferson, eu acho que este primeiro comentário, após o meu comentário, não foi seu. Usaram seu nome. Estou certo? Você nunca falaria que OLDP foi excelente.



Jeferson Cardoso respondeu:

Murilo, verdade. Obrigado pela observação. Eu não percebi que a pessoa, sem vergonha, estava usando meu nome. Aprovei, mas não fiquei atento no nome. Onde vamos parar, gente! Rsrsrs.



Murilo Caetano respondeu:

A situação está crírica, Jeferson. Risos.


Andre Cutrim comentou:

JEC veio com uma trama preguiçosa, fraca, sem sal, sem nenhum atrativo. Acompanhei até o capítulo 100 ( que eu não entendo o pq virou referência nas novelas), e nada aconteceu. As vilãs foram bobas. Tramas paralelas sem função. Protagonistas que as vezes nem pareciam estar ali dentro da novela, e a direção do Denis Carvalho e equipe, em cenas densas, não chegaram no propósito do texto do autor ( aliás, desde que Ricardo Waddington saiu da direção das novelas, JEC ficou sem um diretor que realmente valorizasse as cenas de suspense) . Segundo Sol foi uma novela decepcionante. Vejo techos de A Favorita - Avenida Brasil e fico perguntando, cadê esse JEC? Será que ele é limitado mesmo ( vide A Regra do Jogo), ou foi só mais um deslize? Uma pena, a novela começou bem, mas decaiu. Boa sorte a substituta, e estaremos de olho para ver se teremos uma novela que dá vontade de acompanhar.


Jeferson Cardoso respondeu:

André, infelizmente, a direção de Segundo Sol apresentou inúmeros deslizes que prejudicaram a qualidade da novela. Dennis e Maria levaram muitos elementos de Rock Story para Segundo Sol. Não ficou legal. Infelizmente, JEC não sabe alterar sinopses para agradar o povo. Penso que ele deveria seguir o que foi planejado até o fim. Assim evitaria a frustração dele mesmo.



DEIVID SANTOS respondeu:

Nossa nem passa pela minha cabeça que ele seja limitado...Um cara que dois mega fenomeno as 19hrs de critica e audiencia, vai para as 21hrs e manda uma novela que por mais de 50 capitulos nao se sabia quem era a vilã, e na sequencia escreve o maior fenomeno da tv do seculo 21.... a regra do jogo foi sim uma novela muito aquem do que ele pode fazer, agora segundo sol pra mim foi ok e o que prejudicou e muito foi a direção que não deu o devido tom ao que de fato as cenas pediam.


André Cutrim comentou:

JEC veio com uma novela fraca, capenga, limitada e sem nenhum atrativo. Segundo Sol teve tramas paralelas fracas, vilãs bobas, situações até inimaginaveis. Acompanhei até o tal capítulo 100 ( que eu não entendo o pq dessa referência), e nada mudou. A direção do Denis Carvalho e sua equipe em certos momentos deixou as cenas frias, principalmente nas que exigiam suspense ( aliás, desde que Ricardo Waddington saiu da direção das novelas, JEC não encontrou uma direção que entendesse esse universo de suspense, vide a Favorita.
Vejo trechos de A Favorita e Avenida Brasil e penso: será que JEC é limitado ( vide A Regra do Jogo), ou foi só um deslize? Enfim, isso quem avaliará é a diretora de teledramaturgia, que da prioridades aos seus apadrinhados. Boa sorte a substituta, e estarei de olho para ver se Aguinaldo SIlva vem com tudo,.


DEIVID SANTOS respondeu:

Quanto a direção concordo plenamente, tiveram n cenas que se tivessem sido dirigidas da maneira correta trariam outro tom a novela. Começando pela notícia da falsa morte de Beto


Veja também