O Planeta TV

Didatismo atrapalha narrativa de O Outro Lado do Paraíso

Novela das nove da Globo não agrada a maioria.

Por: Jeferson Cardoso

Clara (Bianca Bin). Foto: Reprodução/TV Globo

Há praticamente um mês no ar, O Outro Lado do Paraíso ainda não agrada a maioria, mas não é ruim. Walcyr Carrasco tem uma proposta boa, porém mal executada/apresentada. Preocupado em ser didático (além da conta), o autor se esqueceu da impaciência do público. A primeira fase é extensa; o texto – além de ser repetitivo – é didático e, às vezes, contém termos desnecessários, para não dizer desrespeitosos, como: “monstrengo” e “negrinha”; as falas das personagens são frias, secas, jogadas ao vento; os acontecimentos são irreais, muitas coisas não convencem; há uma carga muito negativa no ar: de ódio, racismo, preconceito... 

Gloria Pires, ótima em cena, infelizmente não tem sorte. A personagem dela não tem vida. É fraquinha, depressiva. E mais: o sofrimento da Elizabeth/Duda é de pouco convencimento. Ainda não sei se o erro é na apresentação da personagem ou se trata de um papel irrelevante, na história. Como se trata de uma obra aberta, e ainda sem sinopse, é impossível achar alguma coisa. No entanto, os rumos de Elizabeth – aparentemente - parecem nada agradáveis. É tenso.

O drama de Elizabeth (Gloria Pires). Foto: Reprodução/Globo

Com imagem negativa da novela, a direção decidiu fazer ajustes. Desde o início desta semana, cenas de violência estão sendo suprimidas. As mudanças pontuais, por ora, não tem a ver com o resultado do grupo de discussão que apontou a ausência da alegria e a falta de personagens positivos. No momento, o objetivo é dar agilidade e "antecipar a passagem de tempo e a consequente virada da história". As alterações nos perfis das personagens ainda acontecerão. Serão os próximos passos.

Você deve estar se perguntando: se a audiência é razoavelmente boa, na casa dos 30 pontos, por que a Globo está fazendo ajustes? Minha opinião: porque é notável a insatisfação do público. Se não colocar a novela nos eixos - o mais cedo possível - a tendência é que perca público ou fique estagnada numa faixa que hoje é considerada boa, porém se chegar ao fim com isso [30 pontos] passará a ser uma decepção ou fiasco, depende do ponto de vista de cada um. Se você se der por conta que a novela das sete [Pega Pega] tem quase 30 pontos de média geral... Bom, deixa o Ibope para lá, voltemos para a narrativa [história]...

Vejo que muitas pessoas estão criando uma expectativa muito grande na vingança de Clara (Bianca Bin). Acham que isso será de imediato. E mais: pensam que ela se tornará uma vilã. Doce ilusão. A frustração com a primeira fase é grande, entendo. Mas daí acreditar que a novela ficará frenética (do nada), e que a mocinha vai virar bandida. Oi? Gente, O Outro Lado do Paraíso é uma novela, onde mocinha é mocinha. E são, no mínimo, 170 capítulos. 

Conheço bem o estilo de Walcyr. Ele usará o filho da Clara como desculpa para que a mocinha não faça “maldade” com seus inimigos. Já imagino até os diálogos. Será algo do tipo: “não vou fazer isso porque vai prejudicar o meu filho amado, que tanto amo”. Hahahahahaha!. Clara, provavelmente, após herdar uma herança – e ficar milionária (já vi isso numa outra novela de mesmo autor), deve ficar rondado a mansão onde mora o seu filho.... O problema é: o público terá paciência para aguardar a cena em que a mocinha maltratará a vilã - como se fosse uma empregada – em novela isso é humilhação (já reparou)?. Minha resposta é: sim, desde que os desdobramentos sejam interessantes, envolventes. 

Não consigo gostar de vilãs como a Sophia (Marieta Severo). É o mesmo problema que tive com Magnólia (Vera Holtz), em A Lei do Amor. São caricatas, insossas [que não tem muita graça], e de intérpretes que sempre dão o mesmo tom as suas personagens. Pra mim, são papéis ultrapassados. Nem os vilões da década de 80 eram tão previsíveis e tampouco cometiam atitudes tolas.

Por outro lado, apesar da carga dramática, estou gostando da Lívia. No meu ponto de vista, o único acerto desta primeira fase. Grazi Massafera, talentosíssima, passa emoção em cena. A obsessão dela pelo filho da Clara é o alicerce de toda a sinopse. Já fico imaginando a cena da Lívia ajudando a desmascarar a sua mãe. 

Grazi Massafera. Foto: TV Globo

No segundo ciclo de ajustes, acredito que muitas personagens irão sumir ou perder função. Não boto fé em Renato como vilão (se é que vai virar mesmo). Samuel (Eriberto Leão), o homossexual enrustido, um retrocesso da abordagem de A Força do Querer, é uma vergonha. O que é aquele chocalho? Algumas abordagens, como pedofilia, também poderá ficará de lado. Para mostrar de forma fria e seca, apenas didática, é melhor esquecer.  

Que O Outro Lado do Paraíso não teria uma vida fácil, era previsível. Afinal, é complicado substituir um fenômeno atípico. O que ninguém esperava é que Walcyr fosse pesar na mão. Incomoda-me um pouco o sentimento de verdade, mas a falta de humor: nunca! Comédia, na dose certa, é bom. Só que tenho pavor do humor pastelão na faixa das 21h. Amor à Vida foi um pesadelo horrível. 

Logicamente, Walcyr Carrasco deve apostar no humor. É a zona de conforto dele. É uma alternativa segura, apesar de eu achar que a parte de humor dele não ser a ideal para o horário. O público final, no entanto, gosta. 

Ouço vozes.... #Deboche... Vejo um problema. Se tomar o caminho do humor, em quem apostar? Desta vez, no núcleo principal, não há um ator para esta finalidade. Algo me diz que vai sobrar para o Samuel. Só que Eriberto Leão.... bom deixa para lá. Rsrsrsrsrs. 

Resumindo: apesar da minha insatisfação com a vilã e com o texto didático, gosto da proposta de Outro Lado do Paraíso. Não sei se amanhã mudarei de opinião, mas, hoje, considero-a uma novela razoável. Que fique boa. Amém.

O que gosto: atuações de Lima Duarte, Grazi Massafera, Bianca Bin e Fernanda Montenegro

O que não gosto: da música de abertura; atuações de Marieta Severo, Sérgio Guizé, Rafael Cardoso e da Juliana Caldas (fraquinha, fraquinha).

Estreia

Na próxima terça, 21/11, certamente, a maioria dos noveleiros irá espiar a estreia de Apocalipse, aposta da Record TV. As chamadas estão interessantes, mas mostram pouca coisa da trama em si. Tenho a leve impressão de que a “imagem de seriado” (acinzentada) causará estranheza; e que a história terá uma aceitação melhor entre os jovens. Infelizmente, será uma novela bem pesada, diabólica. Estou fora [estou sendo sincero], mas darei uma chance para o episódio de apresentação.

Para o primeiro capítulo, serei cauteloso. A minha aposta é de 12 ou 13 pontos de média. Agora, se começar com 10 pontos, é sinal de rejeição imediata. 

É isso. Estão gostando de O Outro Lado do Paraíso? Será que os ajustes irão beneficiar ou desconfigurar a proposta inicial? E para a estreia de Apocalipse, qual a aposta de audiência? 

Abraços e até o nosso próximo encontro. ;)



Comentários (28) Postar Comentário

Fred comentou:

Falei antes da estreia que a sophia lembrava a magnólia, a historia da mocinha me lembra muito a ana francisca de chocolate com pimenta, até a cena da volta rica e vingativa, com a edição que vem sofrendo melhorou, agora se na passagem não me surpreender acabarei abandonando, e irei assistir à estreia de apocalipse. Está gostando de tempo de amar? Apesar de um pouco arrastada acabei me apegando, andrea horta, leticia sabatella e tony ramos estão ótimos.


Jeferson Cardoso respondeu:

Oi Fred, vejo pouco Tempo de Amar. Gosto muito das personagens principais, e detesto as paralelas. Mas não é ruim não.


Cássio comentou:

Pra mim Grazi será a grande estrela dessa novela. Pq tem em seu personagem características de mocinha e vilã.

Angelo comentou:

O engraçado é que o "colunista" diz que não gosta de vilã caricata, mas quando uma novela do Aguinaldo Silva está no ar - e olha que ele sempre cria vilãs caricatas - o "colunista" ama...


Jeferson Cardoso respondeu:

Angelo, você está equivocado. Detestei a Tereza Cristina, de Fina Estampa. E a Cora, de Império, se perdeu. Eu não gosto do humor de Walcyr às 21h, e isso não tem nada a ver com vilãs caricatas. É questão de gosto. Sou fã de Aguinaldo Silva, mas nem por isso terei que glorificar tudo que ele faz. Gosto de quase todas as novelas dele, mas isso depende dos temas abordados e personagens apresentadas. Senhora do Destino, por exemplo, não sou fã.



elizabeth respondeu:

O que esperar de alguém que se declara fã de Aguinaldo Silva, o autor mais execrado da atualidade, em pleno 2017? Aguinaldo até de plágio foi acusado recentemente, teve uma novela derrubada (e espero que a próxima também o seja). No mais cncordo a respeito de Grazi. Ela surpreende mesmo. Papel dificil, mas ela vai fundo mostrando profundidade como atriz. Um desempenho claramente superior ao último, na terrível A Lei do Amor.


Reinaldo comentou:

Onde assino? Texto perfeito. Esse início de O Outro Lado Do Paraíso está me lembrando bastante A Lei Do Amor e Babilônia, esperava bem mais. Um dos fatores que me incomoda também é o excesso de vilões/antagonistas, Kogut apontou isso inclusive. Com exceção de Lívia, os vilões estão muito rasos, sequer consigo odiá-los como queria. As situações estão rápidas demais, não houve tempo suficiente para o público se identificar com todos os personagens.
E quem garante que a segunda fase melhorará após a passagem de tempo? Se a narrativa continuar fria e com desenvolvimento fraco, não veremos diferença alguma. Não basta apenas suprimirem as cenas violentas, é preciso melhorar o texto e a narrativa afim de convencer o público. A história ainda não me convenceu, duvido muito que isso ocorra na segunda fase.
O que falta aí também não é núcleo de humor, mas sim personagens de bem, personagens positivos, como bem mencionei há vilões em cada metro quadrado.
Walcyr nunca foi um expert com temas sociais, ainda não entendi o propósito dos temas da agressão à mulher, do nanismo, do racismo, da homossexualidade do médico etc. Gael, por exemplo, bate na mulher e logo em seguida pede perdão quase chorando, isso é surreal para mim, já presenciei violências desse tipo na vida real, e asseguro que nunca vi um homem agir dessa forma. Sem falar que esse tema deverá sumir na segunda fase, já que Clara voltará como outra pessoa, então qual o propósito disso tudo? E ainda especulam que Gael virará mocinho. Tenho por mim que esse personagem ficará avulso após a passagem de tempo, assim como Renato que ainda não disse a que veio. Se fosse Walcyr, fazia de Gael o vilão e Renato o mocinho de forma mais definida, mas parece que ele ainda não se decidiu, uma hora mostra um Gael arrependido e outra hora insinua que Renato não é o que aparenta ser, assim fica difícil.
O racismo abordado em Malhação é superior ao que tem sido mostrado na novela das nove, às vezes parece que estou assistindo A Escrava Isaura, falta sutileza aí.
Enfim, tinha ótimas expectativas com essa novela, mas infelizmente me frustrei. Se a segunda fase vai melhor, só o tempo dirá.


Rodolfo respondeu:

Disse tudo!



Jeferson Cardoso respondeu:

Oi Reinaldo, que bom que você já percebeu as alterações de personalidades dos papéis. Até brinquei no post passado: "Sabe as quatro estações num só dia? É assim que vocês observarão esses papéis - Lívia (Grazi Massafera), Renato (Rafael Cardoso), Gael (Sérgio Guizé) e Sophia (Marieta Severo) - ao longo da novela". É característica de Walcyr Carrasco essas mudanças, ainda mais quando a personagem não funciona. O autor pesou a mão na abordagem da violência doméstica, fez o público ter ódio do Gael. Como é uma novela sem sinopse, tudo pode acontecer. #Deboche



Patricia Santos respondeu:

Reinaldo, talvez ele queira mostrar no personagem Gael o que ocorre com frequência com quem agride. Na maioria das vezes as pessoas são assim. Agridem e depois dizem estar arrependido, e que nunca mais ocorrerá. Uma pena que não estou conseguindo acompanhar.


Lucas comentou:

Concordo que a novela não ótima e que Grazi é a melhor aposta. Mas vilãs caricatas são a marca do Walcir e do Agnaldo Silva, que escreve a mesma coisa desde Tieta.
Pior ainda são as novelas da Recopia.

Guilherme comentou:

Novela fraca como eu já esperava. Walcyr Carrasco não serve como autor do horário nobre. Não sabe abordar temáticas sociais, relevantes. Verdades Secretas sabemos bem quem estava lá pra ajudar e ele fez questão de dispensar em Eta mundo bom. Novela forçada em tanta coisa, personagens mal desenvolvidos que a cada hora mudam de atitude como se mudassem de roupa, um texto horroroso, forçado, pesado e sem sutileza nenhuma. Enfim, é uma novela que tem tudo pra passar, passar, passar... Logo logo estarei esperando ansioso pela próxima do JEC.


Jeferson Cardoso respondeu:

Oi Guilherme, gostei da parte que você escreve: "a cada hora mudam de atitude" kakakakakakakaaak eu já havia alertado sobre isso no post anterior.


N. S. comentou:

Cara, tô gostando de "O Outro Lado do Paraíso". Não é a melhor novela do Carrasco e está longe de ser uma das melhores, mas é agradável de assistir e tem despertado meu interesse. Uma prova disso é que sempre que chego da faculdade, corro para a Globo Play a fim de assistir ao capítulo do dia, coisa que na época de "A Força do Querer" eu não fazia, apesar da trama de Gloria Perez ser infinitamente superior.
No meu conceito, "OOLDP" está melhor do que "Amor à Vida". O que estragou a segunda, na minha opinião, foi o núcleo de Wolf Maya. Não sei como será nos próximos meses, mas... sinceramente? Sigo assistindo e não me importando.


Jeferson Cardoso respondeu:

N.S, tomara que os ajustes não afetem o seu interesse. Como não vi Amor à Vida (abandonei no capítulo 20), não posso fazer comparação. Rsrs. No entanto, também gosto de O Outro Lado do Paraíso e estou com medo da comédia pastelona. =/


Chris Slaviero comentou:

Desde que foi anunciado os temas de O Outro Lado do Paraíso fiquei apreensivo, pq a narrativa de Walcyr Carrasco é de certo modo grosseira e caricata, ñ há nada de sutil, principalmente nos temas sociais.
É por isso q muitos telespectadores migram para séries, ñ só pq os acontecimentos são rápidos mais pq os argumentos são bem criativos e as narrativa bem trabalhadas.
O q falta nas novelas é criatividade, pois só repetem os mesmos argumentos, seja em: Avenida Brasil, Fera Radical (q por sinal está no Canal Viva), passando por Chocolate com Pimenta, Revenge (mesmo ñ sendo uma novela), O Outro Lado do Paraíso, e o rei das vinganças O Conde de Monte Cristo; q por sinal vai marcar presença no Hospício(prisão do Castelo de If) onde Clara vai encontrar o Frade(a velha rica)q ensinará td e lhe dará uma riqueza grandiosa.
No final é td ctrl C, ctrl V.

Chris Slaviero comentou:

Desde que foi anunciado os temas de O Outro Lado do Paraíso fiquei apreensivo, pq a narrativa de Walcyr Carrasco é de certo modo grosseira e caricata, ñ há nada de sutil principalmente em relação aos temas sociais.
É por isso q muitos telespectadores migram para séries, pois os argumentos e as narrativas são mais criativas e trabalhadas.
Argumentos como: Avenida Brasil, Fera Radical(que por sinal está no Canal Viva),passando por Chocolate com Pimenta, e até Revenge são tds ctrl C, ctrl V do rei das vinganças O Conde de Monte Cristo que por sinal vai estar em referência quase copiada em O Outro Lado do Paraíso, nas cenas do Hospício(prisão do Castelo de If),em q Clara(à la Edmond Dantés) vai ser trancafiada e mais tarde ensinada e enriquecida por uma velhinha(abade Faria).
Sinceramente, está faltando criatividade e sobrando xerox, seja nas telenovela como também em programas dominicais.
Aliás, Jeferson Cardoso bem q vc podia falar sobre esses programas de domingo q estão tds iguais, falam sempre do sofrimento do povo, o temas já está meio q enfadonho. O q vc acha?


Jeferson Cardoso respondeu:

O Chris, obrigado pela sugestão. Preciso falar do talk-shows também. =D


Guilherme comentou:

Cara , o texto do Walcyr me incomoda demais , o autor não sabe escrever para esse horário. É um didatismo fora do normal e diálogos que beiram o ridículo. Fico com vergonha alheia de ver um elenco tão bom diante de um texto tão ruim. A história dessa novela não me convence. As vezes , só assisto mesmo para ver a interpretação de Fernanda Montenegro , Lima Duarte e Grazi Massafera , essa última tem sempre se destacado , mesmo em novelas ruins e de pouca repercussão.
Exemplo de dialogo ruim:
" Eu vou estudar, vou prestar exame da OAB, ordem dos advogados do Brasil" Bruno ( Caio Paduan) brigando com a mãe ( Eliane Giardini)
" Eu tenho minhas ambições" , um personagem falando nem um tom bem no estilo " Alma Gemea"
" Você é preconceituosa, isso é preconceito, isso é racismo , racismo é crime!"
Não da pra aguentar, Nem Tiago Santiago nos seus momentos mais inspirados da trilogia Mutantes conseguia ser tão didático..kkkk


Jeferson Cardoso respondeu:

Às vezes, é constrangedor mesmo. Quando o texto não é didático, é repetido. Presta atenção, principalmente nas falas da Estela. Hahahahaa



ROSA RANGEL respondeu:

São personagens que aceitam tudo de forma passiva. A história ganharia outro gás se Bruno abrisse mão de tudo e fosse morar com Raquel em Palmas, os dois começando uma vida do zero e sendo atrapalhados constantemente pela família dele. Beth poderia ter lutado contra o sogro e tentado, pelo menos, fugir com a filha. A proposta é boa, mas a condução tá bem ruim.


Veja também