O Planeta TV

De paraíso a novela da Globo não tem nada!

Folhetim não reproduz fielmente a época em que se passa.

Por: Jeferson Cardoso

Gael (Sérgio Guize) e Clara (Bianca Bin). Foto: Globo

É um pouco complicado, para mim, falar sobre O Outro Lado do Paraíso. Tenho medo de ser indelicado e injusto com os profissionais. Porém, tenho que ser sincero. A partir do momento que eu não puder expressar o que, de fato, eu penso, o Blog Curtas & Quentes deixará de existir. O que não será o caso, pois serei sincero. 

Essa novela, criada de repente, aprovada sem sinopse, é boa. Está distante de ser surpreendente, mas é legal. Tem uns defeitinhos, mas, se souber voar, é tolerável. Apesar de ser muito superficial e nada convencer – até o momento –, Walcyr Carrasco apresenta, a passos lentos, uma história que, de começo, parece ser boba (muito simples), mas que se desenha para um novelo mexicano, mas bem mexicano. 

Infelizmente, os primeiros capítulos deixaram a desejar. Não sei em que Planeta o autor estava quando escreveu o início de O Outro Lado do Paraíso. Talvez, estava mirando o horário de Malhação e, sem querer, acabou acertando – ou melhor dizendo – usurpando o lugar de outra. Tudo bem que não podemos esperar muito de uma novela aprovada sem sinopse. Só que esta, na minha concepção, deixa a desejar, com falta de ganchos; diálogos superficiais; cenas de pouco poder de convencimento (mas de boas atuações); e o pior: erros precários de produção/cenografia e contextualização. 

Você se pergunta: “ele aponta vários defeitos, e acha a novela boa?”. Respondo: “Sim!!!”. E explico. Lamento, profundamente (sendo exagerado), a forma como a novela está sendo apresentada (conduzida). Penso que dez capítulos seriam o suficiente para a primeira fase. Entretanto, eu entendi a proposta do autor. Ele quis fazer duas novelas em uma. A primeira novela (parte 1) está detalhando, passo a passo, as histórias de duas personagens, de perfis interessantes: Clara e Elizabeth. Para nós, que acompanhamos uma novela elétrica como A Força do Querer, é broxante dar de cara com uma narrativa mais lenta, que mais parece folhetim dos anos 80. Só que isso, na minha humilde opinião, não é ponto negativo. E nem vejo como um retrocesso. Pelo contrário, a ideia é interessante. Poderia ser mais envolvente, obviamente, se fosse de menor duração. Walcyr Carrasco está sendo cauteloso. Ele vem com temas polêmicos. As personagens, primeiramente, precisam de torcidas para não serem rejeitadas. Gloria Perez fez isso com Bibi, que só foi despontar no segundo mês de A Força do Querer. Posso estar equivocado, mas acredito que Clara e Elizabeth serão a salvação da segunda fase (segunda novela) de O Outro Lado do Paraíso. As vinganças dessas personagens devem surpreender. No final, todos compreenderão porque o autor optou por ser detalhista na primeira fase. Elas serão tão queridas, que o público vai ter pouca paciência com os núcleos paralelos.

A paixão repentina dos protagonistas. Foto: Reprodução/Globo

Gosto de Walcyr Carrasco. As melhores novelas das seis (pra mim, obviamente) foram escritas por ele. Os textos dele são até “amigáveis” para o horário das 18h, mas para às 21h... Para não perder o respeito, são: superficiais, não passam a verdade. A baixa qualidade dos diálogos está sendo o problema desta novela. Os atores até se esforçam. Bianca Bin, atriz genial, às vezes, está sendo prejudicada com falas bem didáticas. 

Alguns atores (ainda) não encontram o tom certo ideal para suas personagens. Guizé, algumas vezes, parece está homenageando o Tonho da Lua; Rafael Cardoso e Marieta Severo os mesmos trejeitos e vozes de sempre. O primeiro parece está sem vontade. Já a segunda, acho que esperava dar vida à uma personagem mais firme. Deve ficar marcada apenas pela cena de reconciliação entre mãe e filha. É melhor eu ficar calado. 

Como é uma novela sem sinopse, vai ser difícil apontar quais os ajustes serão feitos. Acredito que várias personagens terão seus perfis modificados, como Lívia (Grazi Massafera), Renato (Rafael Cardoso), Gael (Sérgio Guizé) e Sophia (Marieta Severo). Sabe as quatro estações num só dia? É assim que vocês observarão esses quatros papéis ao longo da novela. Cada mês, uma personalidade diferente. É característica de Walcyr Carrasco quando não consegue passar para o público a mensagem ou quando o ator/atriz não corresponde. Também acho que algumas abordagens serão condensadas/contidas porque outras irão sobressair/despontar. 

Mesmo constrangido com os diálogos de alguns personagens, o que mais tem me tirado do sério são as falsas campanhas. Em alguns momentos, sinto que há incentivo à violência contra mulher; e também às brincadeiras tipo bullying. Estela (Juliana Caldas), aceita gozação de qualquer um, menos de sua mãe. Fala sério!! Gael espanca a mulher e praticamente ganha um troféu. Numa cena, Nádia (Eliane Giardini) soltou: “marido só bate quando a gente merece”. Misericórdia!!! Numa outra, a mãe incentivando o filho, diz: "sou contra bater em mulher, mas estamos falando de muito dinheiro. Faça o que for preciso.". Jesus!!! Que campanha é essa? Está repreendido!. 

Diálogos didáticos dominam as cenas. Foto: Divulgação/Globo

Por fim, a produção/cenografia não conseguiu ser fiel à época em que a novela passa. Como haverá uma passagem de tempo, de no mínimo dez anos, conclui-se que a primeira fase está ocorrendo no início da década de 2000. Nessa época, que eu saiba, não haviam celulares e notebooks modernos. No Jalapão, se hoje é raríssimo o sinal de celular, imagina você, anos atrás. Daí a Clara aparece em cena dizendo que gostaria de ter um aparelho para ligar para o avô. Só rindo! As imagens da capital do Tocantins, Palmas, são dos dias atuais. Que mico!!!!

O nome que a Globo escolheu para a novela de Walcyr Carrasco, por ora, é a única coisa que mais se aproxima da realidade. Com mãe que destrata filha; marido que bate em mulher; sogra que interna nora em sanatório; esposa - que se sente infeliz - no direito de ter um amante, é, de fato, o inferno. 

É isso. Estão voando, digo, gostando da novela? Quais os pós e contras? Do que Walcyr Carrasco será capaz para não perder público para Apocalipse (se é que isso pode ser uma ameaça, mas existe a possibilidade)? Falando em ibope: com 31 pontos, O Outro Lado do Paraíso vai bem. O “problema” é se empacar nisso. Daqui a pouco, o bom vira razoável. E o razoável pode ficar... À espera dos próximos capítulos.

Obrigado pela atenção, e até o nosso próximo encontro. ;)



Publicidade

Comentários (50) Postar Comentário

Joao Melo comentou:

Mas Walcyr já tinha um texto pobre (e até certo ponto, vulgar) na péssima Amor à Vida. O Outro Lado do Paraíso parece ser um pouco melhor que a trama anterior dele às 21h. Gosto do Walcyr às 18h; no horário nobre, tenho receio...principalmente, da qualidade do texto. E O Outro Lado do Paraíso já mostrou esse problema.... Mas não podemos negar: Lima Duarte, Glória Pires, Fernanda Montenegro, Marcelo Novaes, Juca de Oliveira, Bianca Bin e Grazi estão muito bem.

Reyvidson Brondi comentou:

Eu queria saber pq tanto preconceito com as novelas Mexicanas ? Só pq não tem a Pornografia q as Brasileiras tem ? Pq as Novelas Mexicanas falam mais em Amor e geralmente os protagonistas começam pobres e terminam ricos ???????? Olha ninguém merece viu.


Jeferson Cardoso respondeu:

Reyvidson, não veja como preconceito. Na década de 90, eu amava as novelas mexicanas. Acho que exagerei (sorry). As mexicanas são mais verídicas que O Outro Lado do Paraíso, que é absurdamente superficial, fake. E não estou sendo sarcástico. Rsrs



Adrian respondeu:

As novelas mexicanas atuais mudaram a temática e estão bem no estilo globo, exemplos não faltam: Caer en Tentacion, Mujeres de Negro, Papá a toda Madre, La Candidata. Muitas delas apresentam baixa audiência por causa desse novo formato.



Anônimo respondeu:

Vc provavelmente assiste no sbt, porque as mexicanas tem tanto sexo, e bem mais violência gráfica do que as brasileiras



Caio respondeu:

É porque a construção das novelas mexicanas não é feita para discutir mazelas sociais e sim para entreter de maneira rasa.


Filipe comentou:

A novela é O OUTRO Lado do Paraíso, não o Paraíso em si. Para mim, o título já explica muita coisa. Acho que o texto do Walcyr está melhor que de outras novelas dele, mesmo não sendo um "texto de Lícia Manzo". A novela se passa em 2007. 2007 não é bem "início dos anos 2000". Pelo que eu vi, Estela só aceita piada de Gael, tanto que, hoje mesmo, ela repreendeu a piada da irmã (Lívia). É importante mostrar personagens que praticamente apoiam a violência marital, porque existem pessoas assim; mesmo mostrando personagens assim, Walcyr está dando o recado contra violência doméstica.


Jeferson Cardoso respondeu:

Filipe, discordo um pouco sobre essa campanha da violência contra mulher. Os diálogos, às vezes, dão a entender que há incentivo. Não curti a abordagem. As falas da Estelas estão repetitivas e didáticas. Um saco! Rsrs



Pedro respondeu:

Concordo. E os diálogos dão a entender que há incentivo à violência contra a mulher sim, mas não por parte do autor ou dos atores. Lembrem que eles são os vilões. Mas o que mais tem são mulheres e homens (principalmente) achando que violência doméstica é "normal". Se você ler qualquer notícia no Facebook sobre o tema, verá a quantidade de comentários dizendo: "mas ela deve ter feito algo pra merecer. É apenas a realidade sendo mostrada. É pesado, mas é a realidade. Agora, o texto realmente peca em algumas cenas. Espero que melhore!



Jeferson Cardoso respondeu:

Pedro, esse tema é muito delicado. É realidade porque muitas pessoas ainda se submetem, aceitam, esse tipo de violência. A novela deveria fazer campanha para que as pessoas tenham coragem de denunciar, e não incentivar (encorajar) os agressores. É complicado.



Pedro respondeu:

Jeferson, mas a novela ainda fará isso. Agora, não adianta mascarar e mostrar que toda mulher que apanha vai lá e denuncia, porque isso não é verdade. Infelizmente poucas fazem isso. A novela faz um alerta do que acontece, até mesmo pra quem tem alguém próximo passando por isso. Dizer que há um incentivo à violência doméstica na novela é o mesmo que dizer que A Força do Querer incentivava o tráfico porque a personagem Bibi não foi punida. Sabemos que não era esse o propósito. Falta interpretação das situações, não acho que a novela tenha que entregar tudo mastigado. Agora, se isso é bom ou ruim pra audiência, já é outra história.



Televisivo respondeu:

Perfeito comentário, Filipe. Os diálogos do Walcyr continuam fracos, superficiais e sem sutileza, mas já foram muuuito piores que isso (vide Amor à Vida e as das seis). Sobre o título, ficou bem claro que o foco da trama, é "o outro lado", não o paraíso. É justamente contrapor a vida que a Clara achou que teria ao lado do príncipe, com a que ela realmente teve, dentro de casa. Por isso não concordo com a crítica do Jeff sobre o nome, o nome está coerente.



Televisivo respondeu:

Ah, e as falas dos personagens machistas é necessária. Pensa bem, se elas não existissem, seria algo como Telecurso 2000 ou Globo Repórter. Mas é novela, tem que mostrar um lado, e o outro. Quem apóia, e quem não apóia. Assim como fez com a Ivana, quando Eurico ignorava e dizia atrocidades sobre sua transsexualidade.



Jeferson Cardoso respondeu:

Pedro, entendi que o autor quer tocar na ferida, mas, às vezes, o texto dele parece que incentiva. Posso estar enganado, mas é o que senti. Vamos aguardar pelas próximas loucuras do Tonho da Lua, digo, Gael. Rsrsrs



Potter respondeu:

Até que enfim alguém entendeu o título da novela. O outro lado do Paraíso está tudo que é contrário ao Paraíso.


Bernardo comentou:

Não estou gostando, achei pesada, todos os personagens são polêmicos, falta um núcleo de comédia, tem erros de continuidade, os capítulos não tem gancho e Gael é detestável um casal que ninguém torce, ninguém gosta do casal Clara e Gael.
A segunda fase só começa a partir do dia 25 de Novembro vai pegar a semana de estreia de Apocalipse acho que só anteciparam por causa dessa novela, vai ser uma briga boa. O texto é baixo, algumas partes chega a ser constrangedor, Walcyr parece estar escrevendo Verdades Secretas como já vi falarem. As visões da Mercedes também não entendi parece a Rose do Titanic com o filme chamado e série Sobrenatural e umas coisas que não tem nada a ver. Não me conquistou como A Força do Querer, o núcleo da Glória Pires mas durmo que assisto tem razão dela querer se afastar das novelas só pega rojão. De bom mesmo só as imagens do Tocantins só gostei da Estela até agora, a personagem da Eliane Giardini é insuportável ela nunca fez um papel chato esse é duro de suportar, vontade de mudar de canal quando ela, Glória Pires, o sogro da Elizabeth, o delegado aparece, dá sono.


Jeferson Cardoso respondeu:

Bernardo, entendi sua visão sobre o núcleo da Elizabeth. Eu gosto da personagem, mesmo sem ainda torcer por ela (porque não tem como apoiar aquela traição). Essa fase dela conhecer o amante é chata mesmo. Já já passa. Até capítulo 12, no fim de semana, ela estará no inferno. Rsrsrs



Bernardo respondeu:

Jeff parece também com o filme Beleza Americana onde todos os personagens tem algo a esconder, isso funciona em filmes, novela não sei não. Se fosse um ou outro mas todos personagens tem uma polêmica, um desvio de caráter ou algo para esconder, não sei se a audiência manterá. Ainda vai entrar a segunda fase com mais personagens polêmicos e o texto é baixo, fala de sexo em detalhes que deselegante. Sobre a personagem da Glória Pires não vejo por qual razão vão armar pra ela porque ela não faz mal pra ninguém, fica lá no canto dela bebendo ou reclamando que o marido viaja demais, o sogro não gosta dela por ter sido prostituta e ter herança humilde nada a ver. É um motivo muito banal para querer ferrar a vida de uma pessoa, não convence. Estamos acostumados com A Força do Querer que foi uma novela que nós fez viajar, questionar, aceitar as diferenças mas tudo com leveza, aos poucos. Vem o Walcyr é joga na cara da sociedade de uma vez não sei não, até agora não me agradou. Fora a mocinha que é passiva, submissa aceita até apanhar do marido, Estela aceita provocações, Nádia humilha os empregados e eles aceitam calados.


Lucas comentou:

Concordo com tudo em sua critica Jeff,sem tirar nem por,falou tudo.O Outro lado do Paraíso é boa,tem uma trama promissora,mas peca em muitas coisas.O texto é ruim,pra não dizer precário,e muitas vezes deixa a cena,que tinha tudo para ser emocionante,vazia e superficial.Outra coisa que me chamou a atenção,foi a quantidade de personagens vilões e mal feitores que tem essa novela,é um mais escroto e nojento que o outro,haja saco pra aguentar tanta frieza,tanto que ate agora só vi personagens frios,sem alma sabe,depois de um novelão cheio de personagens humanos e bem desenvolvidos,que se mostravam ricos de sentimentos para os telespectadores,agora fica difícil simpatizar com algum dessa trama,salvo algumas claras exceções,que os atores mesmo com o texto ruim dão show.Algumas tramas como a da Gloria Pires,tem uma ótima proposta,mas falta alguma coisa,não estão convencendo as situações com o personagem Marcelo Novaes,ta meio forçado e corrido.A Trama de Clara e Gael em 10 capítulos já ficou repetitiva,toda hora briga e o mesmo texto,e o pior é que todos os personagens apoiam as agressões e agem como isso fosse normal,chega a chocar a cada cena assistida,falavam que Gloria Perez vazia apologia ao trafico,quero só ver agora com o Walcyr tendo esse texto.Do mais,a novela é boa,só precisa convencer mais e ser menos superficial,vamos ver como Walcyr desenvolve isso.


Jeferson Cardoso respondeu:

Obrigado, Lucas. Vamos aguardar pelos ajustes. Que eles sejam favoráveis. Rsrsrs


THIAGO SÃO TOMÉ comentou:

Estou gostando da novela "O Outro Lado do Paraíso. Ressalto de início o talento de Bianca Bin: atriz jovem, comprometida, talentosa e sempre diferente em seus trabalhos. Nasceu para o ofício. Desejo que Deus a abençoe e que tenha uma magnifica trajetória. Os diálogos do Walcyr são sofríveis: "meu príncipe gentil", nessas terras a gente pensa com o coração" "aquela monstrenga", enfim, são estes algumas das pérolas. O personagem Gael é caricato demais. Em toda cena ele agride a mulher e pede desculpas. Já encheu o saco. Custa em alguns momentos ele tratar ela bem? Aliás, outro problema dessa novela é a inexistência de sutileza. Tudo é dito e redito. O que é aquela personagem Nádia? Sempre agressiva. O maniqueísmo reina na trama. O outro lado do paraíso é que a trama é boa e promissora. Estou curioso para ver os caminhos de Clara e Beth se cruzarem. E Fernanda Montenegro está dando show, como sempre. Gosto muito de Mercedes. Em suma, no aguardo da segunda fase.
Obs: Jeferson, essa novela não tem sinopse? Já foi escrita diretamente em capítulos e pronto?


Jeferson Cardoso respondeu:

Oi Thiago, então, O Outro Lado do Paraíso foi aprovada sem sinopse. O Walcyr teve um encontro com Silvio de Abreu e apresentou a ideia verbalmente. De imediato, o diretor de dramaturgia autorizou ele a começar a escrever os capítulos. Não sei como funciona isso, mas penso que dessa forma o autor condiz a história sem saber como os personagens terminarão. E tipo um: "vou fazer (seguir) assim, seja o que Deus quiser". #Deboche


Thiago Hideki comentou:

Concordo em partes, acho que o texto tbm melhorou, pra mim a direção que eu admiro, erra nessas metalinguagens, quando o personagem sofre, o fato de ter começado o primeiro capítulo como se fosse um filme, acho que ficam querendo inventar a roda

Ramón comentou:

Walcyr tem um texto horrível e pobre para o horário das 21hs. Acho um saco o didatismo e a reiteração presentes em seu texto.
O horário de Walcyr é as 18hs. O outro lado do paraíso será uma enrolação só... já começou por essa 1° fase.


Jeferson Cardoso respondeu:

Verdade, Ramón. O didatismo está demais. Os diálogos das cenas da Estela é um Control C Control V. Haja paciência!!!


Ana Cristina comentou:

Eu gosto da novela mas não consigo me envolver com os personagens, sinto falta de algo mais humano e menos superficial e caricato. Algumas falas são chulas e grosseiras, ao invés de me cativar me causam indiferença. Outra coisa que me irrita bastante é a repetição de palavras como: desculpa, perdão. Não sinto sinceridade nessas palavras, Apesar de a repetição fazer parecer que são sinceras... aguardando a 2° fase!!.


Jeferson Cardoso respondeu:

Ana, pois é. Walcyr se esforça, mas o texto dele ainda tem pouco poder de convencimento. Que, na segunda fase, os colaboradores sejam mais exigidos. Amém!!! Rsrsrs


Guilherme comentou:

Não acho a novela ruim. Acho o autor dela ruim. A direção é linda, maravilhosa. Maurinho engrandece cenas simples. Sabe colocar cada música certa no momento certo. Brilhou na direção da cena da surra na Clara. Enfim, é o melhor diretor da atualidade. Infelizmente, a direção dele não casa com um texto fraco, superficial, raso e caricato, que é do Walcyr Carrasco. A abordagem do nanismo é lamentável, forçada, esculachada. Esse autor não sabe abordar um assunto decentemente. Fica difícil mesmo. E vem pedofilia e outras coisas por aí. Só tenho medo realmente de ser uma Amor à vida 2.


Jeferson Cardoso respondeu:

Guilherme, concordo com você. O nanismo, devido ao texto didático, é chato e bem forçado. Há também um incentivo ao bullying. Afff. Nem me fale na segunda fase. Na fé, torço para que termine a primeira com gás. Rsrsrs


Veja também

Publicidade