O Planeta TV

Vamos rir? SQN!

A deficiência da TV brasileira em nos apresentar algo realmente divertido e a tentativa de fazer rir, mesmo quando não tem graça.

Por: Emerson Ghaspar - Contato: [email protected]

Vamos falar a verdade? Os programas humorísticos de hoje em dia estão uma [email protected]#$%! Claro que você pode discordar de mim e falar que ri muito com o Zorra Total, mas eu te pergunto, esse riso dura quanto tempo?  Há muito tempo vejo várias pessoas incomodadas com o humor na TV aberta, talvez esteja ai um dos motivos do sucesso da internet “Porta dos Fundos” (não estou dizendo que seja o único motivo).

O problema não é a diferença nos vários tipos de humor, mas como nos apresentam. Estou deixando claro que nessa categoria não estão inclusas programas como “Pé na Cova”, “A Grande Família” ou “Tapas e Beijos” que antes de qualquer coisa são séries, mas do tradicional programa de humor repleto de esquetes e de personagens carismáticos que riem de si próprio. Talvez você não se lembre de nenhum programa assim, mas para refrescar a memória, vamos falar de “Os Trapalhões”, programa dominical onde quatro amigos viviam os mais variados papéis, sempre rindo da essência, do ser humano.

Didi, Dedé, Zacarias e Mussum (que, diga-se de passagem, era meu favorito) apresentavam semanalmente histórias engraçadas em situações inusitadas do dia a dia, isso em uma época onde a censura dominava e até palavras, que hoje seria consideradas como forma de preconceito (Mussum viva falando que era discriminado por ser “preto” e típico malandro) seria um péssimo exemplo para uma sociedade que se diz tão libertaria, mas que não aceita nada que não seja politicamente correto.

Capazes de fazer rir, soltar uma gargalhada frouxa que sai após várias piadas simples, porem reais era a chave do sucesso de “Os Trapalhões”, mas qual é o sucesso atual dos programas de humor? Próximo ao fim de semana, nos deparamos com o mais que tradicional “A Praça é Nossa” no SBT e com “Zorra Total” na Rede Globo, mas porque esses programas continuam no ar?

A primeira resposta e mais evidente é que trazem algum retorno financeiro, mas tenho minhas duvidas se quem assiste realmente se diverte. O humor infantil, que já fez sucesso em outra época, onde tudo deveria ser pueril e nada que passasse de um pastelão, realmente não convence no dia de hoje e a prova viva disso é a internet e seus vídeos, vide o canal “Porta dos Fundos”.

“Zorra Total” e “A Praça é Nossa” voltam e meia voltam a chamar a atenção do público ao apresentar um personagem que acaba dominando a ação do programa. Foi assim com Valéria (Rodrigo Sant’Anna) e Janete (Talitha Carauta), Lady Kate (Katiusca Canoro) e anteriormente com Jeca Gay (Moacyr Franco) no SBT.  O público acaba sendo conquistado pelo personagem,mas que logo se desgasta por serem usados exaustivamente, fora disso, os programas apresentam quadros repetidos.

Exemplo, bonitona que chama atenção de um homem: Morena e Angolano, ou vice-versa, Zé Bonitinho e suas mulheres, mas o humor é o mesmo, com frases feitas e caricaturas mal desenvolvidas de uma sociedade rasa, que não sabe tirar graça de si próprio.

O público acaba comprando à idéia de ver “esse” ou “aquele” personagem, quando isso não acontece, a audiência cai, começam as reformulações e é em outras mídias, como exemplo o teatro, que vão buscar a renovação no elenco. Mas como transformar algo engraçado do teatro em algo engessado na TV?

Isso é um mistério. Em terra que clichê e humor politicamente correto dominam, isso é quase impossível. O humor não convencional da internet ganha espaço e faz rir. Será que trazer o que faz rir na internet para a TV é a solução?

Creio que não, rir de si mesmo é a solução. Chaves, eternamente no SBT está ai para comprovar, que em terra de humor sincero, todos se divertem.

Qual a sua opinião? Compartilhe, comente!


Publicidade

Comentários (2) Postar Comentário

Kennedy comentou:

Não odeio o "Zorra Total" como a maioria. O que percebo é que o programa passa por ciclos: uma hora está muito ruim (como agora), desgastante e repetitivo, e mesmo com novos quadros, não convence; outra hora está muito bom, como foi a época do metrô (desde maio do ano passado até o final do ano passado, visto que o metrô também cansou).
Creio que é tudo uma questão de fases, já que é um programa que está a muito tempo no ar. Crises são inevitáveis. Mas o que realmente vejo, é o preconceito das pessoas com o humor da TV aberta: esses não vão rir nunca com nenhum desses programas, a cabeça fechada não deixa.
PS: não assisto "A Praça é Nossa".


Pedro Henrique respondeu:

Acho que o Zorra Total deveria mesmo sair do ar, para dar mais espaço a coisas melhores (poderiam voltar com o Você Decide, por exemplo). Eu assistia ao programa quando era mais novo e, naquela época, até achava bom. Acho que o programa foi se desgastando com o tempo e, hoje, está essa porcaria.


Rafael Rocha comentou:

Em terra de humor sincero todos se divertem. Essa frase já resumiu toda minha opinião sobre o assunto.
E por isso mesmo que eu acho que (sem querer falar que gosto cada um tem o seu, porque isso é argumento bobo) o humor é uma coisa muito particular. Apesar de dizerem o contrário por aí, eu vejo uma zorratotalização na internet (não que isso seja ruim), não acho aqui nenhum berço de originalidade.
No texto você cita alguns personagens do Zorra Total que são usados exaustivamente, até desgastar. Mas eu vejo a mesma coisa na internet. Por exemplo no Porta dos Fundos. Em pelo menos 90% dos vídeos onde aparece o Fábio Porchat ele está gritando loucamente, nervoso e soltando um monte de sinônimos engraçadinhos para a palavra "pênis".
Pra mim isso cansou na terceira vez que eu vi, mas depois disso ele continuou fazendo a mesma coisa em 200 vídeos e o público dele continuou adorando. É a mesma coisa quando aparece algum humorista considerando genial, como o Marcelo Adnet. Lá pra 2008 eu achava genial ver ele cantando funk com a voz do Cid Moreira, imitando o Silvio Santos na padaria, etc, etc. Aí passou um ano, dois, três, e até hoje ele ainda faz a mesma coisa. Pra mim cansou no primeiro ano, foi usado até a exaustão e desgastou. Mas pro público dele não, continuou sendo genial.
Então acho que o Zorra também deve ter seu público que continua achando muito boa a sacada de um cara olhar para a câmera e repetir um bordão. é que aqui na internet isso parece absurdo, por que a gente curte coisas diferentes, mas deve ter esse público.
Então acho que tem alguns tipos de humor que agradam seu público no primeiro momento, e quando agrada de verdade, vai continuar agradando pro resto da vida. Digo isso por mim mesmo, que há dez anos dava risada do Emílio Surita na Jovem Pan gritando com os ouvintes e até hoje, mesmo que ele fizer todo dia, vou rir sempre que ouvir.
Mas humor é meio sem explicação, né. Nem sempre precisa ser original, inovador, etc. As vezes é uma coisa boba, manjada e você acaba rindo.
Rafael Rocha

Publicidade

Veja também

Publicidade