O Planeta TV

Quantidade versus Qualidade: A batalha das eras!

Números de ibope e a influência total na TV.

Por: Emerson Ghaspar - Contato: [email protected]

Como prometido anteriormente, vou fazer uma crítica positiva sobre uma produção televisiva. Mas não pense que vou encher a bola de uma ou outra emissora porque essa não é a minha praia. Mal chegou e o horário de verão tem despencado a audiência de grande parte das produções televisivas e isso poderia ser uma justificativa para falar bem ou mal de algum programa que assisto, mas a TV vai muito além de números, qualidades e gostos.

Vejamos nossas novelas: “Jóia Rara” não consegue engrenar no ibope e ser um sucesso estrondoso como a novela antecessora de Thelma Guedes e Duca Rachid, vide Cordel Encantado. Mas isso seria motivo para transformá-la em um fracasso retumbante a Lá Bang Bang? Claro que não. A novela tem um elenco afinado, uma história interessante, mas a iluminação as 18h deixa a maioria dos telespectadores cansados. Podia melhorar, torcemos para isso.

A recém terminada “Sangue Bom”, que durante meses foi minha novela preferida, não triunfou com audiência, como esperavam alguns. Mas isso não desmerece o seu texto caprichado, sua direção segura e um elenco afinado e disposto a trabalhar em conjunto. Valeu pelo esforço coletivo em transformá-la em uma obra a ser lembrada.

Já na Rede Record nos deparamos com “Pecado Mortal”, primeira novela de Carlos Lombardi na emissora. Com uma trama adulta interessante (a única, diga-se de passagem) envolvendo a disputa ente bicheiros no Rio de Janeiro de 1977, vemos um texto caprichado, redondo, direção e fotografia coerente, cenografia e reconstituição belíssimas, além de um elenco seguro e confiante. Tudo para ser um sucesso, mas que não é.

As três obras citadas são noticiadas a cada dia como um fracasso retumbante e volta e meia lemos: “Jóia Rara cai no ibope”, “Pecado Mortal registra recorde negativo”, mas daí te perguntam: Você se influencia por aquilo que lê?

As redes sociais funcionam como termostato para TV, aquilo que assistimos, não quer dizer que estamos gostando. Audiência não qualifica sucesso.  Leio comentários favoráveis a todas essas novelas no Twitter. Inclusive vários pedindo o retorno de “Sangue Bom” (chegam a ser hilários).

O que realmente preocupa é quando a audiência influencia no produto em si. Cortam-se custos, gastos com publicidade ou a novela é cortada e seus capítulos reduzidos. Foi assim com “As Filhas da Mãe”, de Silvio de Abreu em 2001, que era uma novela com linguagem moderna e revolucionária que não caiu no gosto popular e foi reduzida, o que poderia acontecer com as atuais novelas em exibição. “Os Maias”, minissérie de Maria Adelaide Amaral foi um caso de que nem sempre sabemos apreciar uma boa obra. Uma adaptação de Eça de Queiroz de quem poucos lembram e que foi marcada pelo péssimo ibope. Mas isso em momento algum diminuiu a interpretação de seus atores, o texto ou até mesmo a direção.

Entre obras boas com baixa audiência e péssimas produções com sucesso estrondoso no ibope, a questão é saber escolher o que assistir. A TV existe para todos os gostos, tipos e saber o que merece ganhar sua atenção e sua audiência não é uma das tarefas mais fáceis, afinal tudo é feito pra você. O destino das produções está em suas mãos, mais precisamento no controle remoto.



Publicidade

Comentários (4) Postar Comentário

Vinicius comentou:

Concordo com o que você disse.
Joia Rara é uma novela típica, sem grandes invenções e que não consegue ir bem no ibope.
O problema na minha opinião é que a mesma é de época, e muita gente não curte.
Além do horizonte aparentemente é fraca, ficaria mais adequada para o horário das 18:00 hs.
Pecado Mortal não combina com o estilo de novela da Record.

Enfim, Os números do Ibope não me influenciam, até porque eu adorava Sangue Bom e curtia Ciranda de Pedra, e ambas foram mal no Ibope.

Airton comentou:

Eu não me deixo influenciar pela audiência, pois o que importa é a qualidade do texto, das atuações e do desenvolvimento da trama. Eu gosto de "Joia Rara", o problema é a iluminação escurecida e os figurinos pretos, tudo isso dá um tom mórbido em plena 18h com a luz do sol forte entrando pela janela, um contraste nada agradável. Acho que a Globo não aprendeu com os erros cometidos em "Lado a Lado", que a meu ver foi uma novela razoável e não merecia o fiasco de audiência que teve. Outro problema que cito nas novelas de hoje é que agora virou mania dar agilidade aos acontecimentos, porém os autores estão confundindo agilidade com fatos atropelados. Muita coisa em "Joia Rara" e "Amor à Vida" acontecem tão rápidos que os telespectadores simplesmente não compreendem o que assistiram e cada um tira suas próprias conclusões, gerando confusão na história. Sobre "Além do Horizonte", a novela não me chamou a atenção pelas chamadas e não gostei do que vi nos capítulos, a mesma coisa que aconteceu com "Sangue Bom". Respeitarei todos que tiverem opiniões contrárias as minhas, mas o que eu penso é que a TV precisa se reencontrar e, principalmente, parar de viver com essa dependência absurda e ridícula por "Avenida Brasil" e "Cheias de Charme". Essas duas tramas foram fenômenos? Sim, mas não foram as únicas novelas que fizeram fenômeno no Brasil, a Globo já superou fenômenos maiores ("Senhora do Destino", "Tieta", "Mulheres de Areia", "A Viagem", "O Clone"...), então chega de ter dependência! Só porque a novela das Empreguetes deu muito certo agora é obrigatório toda novela ter um núcleo musical? Só porque a agilidade deu certo na história do JEC agora toda novela tem que ter agilidade? Cada autor tem sua forma de escrever e o público precisa entender isso, não existe fórmula para o sucesso e nada vai agradar 100%. Sobre as pessoas no Twitter, eu acho que virou moda falar mal das novelas brasileiras, foi isso que aconteceu com "Salve Jorge" que a meu ver também foi uma novela razoável e não mereceu o fiasco que foi. O público simplesmente quis fechar os olhos para a excelente abordagem sobre tráfico humano e preferiu ir no Twitter bombardear a Glória Perez como uma "velha louca", mas se esquecem dos grandes sucessos que já escreveu. Todo autor tem um fiasco no currículo, isso é normal. Espero que "Joia Rara" melhore, pois tem uma história intrigante, as atuações estão perfeitas, mas há coisas confusas e a estrutura visual não está muito boa.

BRUNO comentou:

A única novela que assisto é Pecado Mortal. Dizem que no ibope ela patina...Mas como? Texto e interpretações de dar gosto. Figurino, iluminação e fotografia dignos de aplausos. Uma história que, a cada capítulo, comove e se renova. Grandes ganchos. Quem vê hoje, vai querer assistir amanhã. Um Carlos Lombardi ácido, inteligente e cada vez melhor. Enfim, uma novela completa. Qual o problema? Está sendo apresentada fora da vênus platinada? Vai ao ar tarde demais? Depois da bobagem que é a obra do Carrasco? As pessoas torcem o nariz para as novelas do canal 7 (em sampa)? Estão perdendo...e muito. Ou melhor, estão perdendo...e bastante...Seguir a história de Carlão, Michelli, Patrícia, Donana, Dorotéria e outros personagens é, na minha opinião, uma delícia!!!!!!!!!!!!!!!

[email protected] comentou:

Eu concordo com o Airton. Penso exatamente igual. Teria escrito uma coluna.

Especialmente sobre menosprezar novelas como Roque Santeiro, Vale Tudo,
Tieta, Mulheres de Areia e as novelas do Maneco até Mulheres Apaixonadas, para
supervalorizar Avenida Brasil.

E sobre "além do horizonte", que tem belas
imagens, seria inovadora e peca no que seria
primordial (além do texto), o elenco é péssimo.


Aí não tem santo que dê jeito.

Veja também

Publicidade