O Planeta TV

As 10 Melhores Apresentações da 3ª temporada do The Voice Brasil

Uma lista que faz parecer que nem foi uma temporada tão ruim.

Por: Daniel Melo - Contato: [email protected]

A 3ª temporada do programa pode até ter feito muitos desistirem de acompanhar a 4ª temporada, mas poucos se lembram dos bons momentos que tivemos esse ano. Foram raros, claro, mas eles existiram! Carla Casarim, Rose Oliver, Lui Medeiros, Deena Love, Kim Lírio, e outros excelentes nomes foram trazidos para cá esse ano, e por isso eu serei muitíssimo grato por essa temporada, apesar dos pesares.

Muitas dessas apresentações provavelmente não estarão no seu Top 10 da temporada, mas decidi lembrar aqui as apresentações que mais me marcaram. Essa lista é baseada em meu gosto pessoal e em nenhum momento é uma verdade universal.

Não vou me estender muito mais do isso, até porque não serão feitas críticas aqui, apenas lembraremos dos bons momentos. Então vamos lá!

10) Danilo Reis e Rafael – Sinônimos (Zé Ramalho)

Fase: Audições

Técnico: Daniel

Não é piada. Apesar de nas fases seguintes, a dupla ter caído de produção, essa audição sempre me chamou muito a atenção. Uma escolha musical primorosa e uma execução muitíssimo bem feita, tornaram essa performance um dos pontos altos da temporada. “Sinônimos” é belíssima e os dois conseguiram reviver todo o sentimento por trás dessa letra e ainda assim nos fazer acreditar no talento deles. Os cantores não são os mais técnicos, mas conseguiram fazer uma audição belíssima, que mereceu e muito as 4 cadeiras viradas. Acreditem ou não, já tenho a versão da dupla no meu celular. Uma excelente audição, e isoladamente, presença obrigatória nesse ranking.

9) Priscila Brenner – Burn (Ellie Goulding)

Fase: Tira-Teima

Técnica: Cláudia

Essa talvez seja uma das que causará divergência entre vocês, mas admito que simplesmente achei “Burn” a melhor performance da loirinha e merece sim estar aqui com muitos méritos. Pri conseguiu trazer para essa apresentação a suavidade, a malícia e a força que essa música exige. Tecnicamente perfeita, Pri soube nos apresentar a sua suavidade natural e quando nós começamos a achar que a performance vai começar a ficar “mais do mesmo”, a cantora simplesmente consegue inserir dinâmicas que tiram da nossa mente a sensação de cópia da original e ainda valorizam o talento vocal da moça. Depois dessa performance, eu passei a lamentar muitíssimo a eliminação dela. Certamente faria muito melhor que Leandro Buenno na competição.

8) Leandro Buenno – Latch (Sam Smith feat. Disclosure)

Fase: Audições

Técnica: Cláudia

Também não é piada. Já assisti e ouvi a audição de Leandro muitas vezes, para ter a certeza que a minha empolgação com o cantor nessa fase não foi apenas um delírio da minha cabeça. Não foi. “Latch” foi o melhor momento de Leandro na competição justamente por essa escolha musical cuja melodia foi capaz de esconder os pontos fracos do cantor, que ficaram mais evidentes nas fases seguintes, e destacar os seus pontos fortes, seu falsete e sua presença de palco. Extremamente atual e dançante, a cereja do bolo dessa audição, foi justamente a parte mais lenta do começo, uma alteração muito bem vinda. Enfim, essa é a fórmula do sucesso: uma escolha musical excelente + excelentes vocais + carisma + um estilo musical muito bem definido na audição!

7) Kim Lírio – Ideologia (Cazuza)

Fase: Final

Técnico: Daniel

Depois de escolhas musicais duvidosas, Kim Lírio surpreendeu escolhendo um clássico brasileiro para chegar na final em grande estilo. Apesar de já ter sido competentíssimo em sua audição, na batalha, e no seu primeiro show ao vivo, foi realmente aqui que o cantor conseguiu brilhar. Pessoalmente, adorei a mudança do arranjo, bem mais puxados para o rock internacional, que deixou tudo bem a cara do cantor. Vocalmente também, Kim deixou as suas desafinadas de fora pela primeira vez desde “À Sua Maneira” e pela primeira vez realmente achei a sua presença de palco muito boa, mas sinto que ele ainda acha que presença de palco é correr de um lado para outro do palco, mas ainda assim foi bom. Repito: Depois dessa performance, eu não me oporia a uma vitoria do cantor.

6) Millane Hora & Karina Duque Estrada – Bilhete (Ivan Lins)

Fase: Batalhas

Técnica: Cláudia

Se Karina fez uma audição ruim e Millane uma mediana, devo dizer que ambas se redimiram na fase de batalhas. E o ponto alto dessa performance foi a simplicidade com que ambas as cantoras interpretaram a letra de Ivan Lins. Karina teve uma abordagem mais sutil e simples, mas não por isso menos poderosa. Millane, por outro lado, foi mais dramática e intensa, resultando numa performance tão boa quanto a da oponente. Uma daquelas batalhas em que não podíamos julgar Cláudia por nenhuma escolha que a técnica viesse a fazer. Qualquer uma das duas era uma escolha certa e qualquer eliminação seria uma lástima. Apesar de eu não me opor a escolha por Millane, entendo o porque de muita gente preferir Karina. As vezes mais é menos, e justamente por isso, essa batalha está aqui nesse Top 10.

5) Deena Love – Calling You (George Michael)

Fase: Audições

Técnico: Lulu

Pode não ter sido a melhor, mas foi a audição mais impactante e memorável da temporada. E como não ser? Como ser capaz de não se arrepiar com a força imposta no verso “I Am Calling You” ou com toda a linguagem corporal de Deena que apenas complementou  a performance? Foi uma performance muito boa, e chega a ser incompreensível o motivo de Deena ter sido eliminada para dar lugar a uma breguissima e artificial Maria Alice. Todos os exageros de Lulu foram justificados aqui (mas, só aqui, tá!). No mais deixo aqui as duas melhores frases já usadas para descrever a cantora: “Como você é suave e forte” Milk, Cláudia; “Você se veste para revelar a sua alma” Santos, Lulu. #TeamLove

4) Nathalie Alvim & Luana Fernandes – Roxanne (The Police)

Fase: Batalhas

Técnica: Cláudia

Sejamos honestos, para unir em um dueto, duas cantoras com estilos tão diferentes, essa escolha musical foi perfeita. O motivo dessa batalha estar aqui, além da execução primorosa dada pelas duas cantoras, é que essa batalha é capaz de competir com qualquer outra batalha com essa mesma música de qualquer outro país e provavelmente vencer, por exemplo, é anos luz melhor do que a batalha de Josiah Hawley x Jeff Lewis no The Voice US. Nathalie tem o tipo de voz um tanto incomum para o rock, mas que cai como uma luva no gênero. A precisão cirúrgica da voz da cantora em toda a extensão da apresentação em alguns momentos pode ter sido vista como uma maneira de calcular demais a performance, e não se jogar de cabeça. Eu gostei, mas há quem pense isso. Já Luana, com a sua “voz celofane” (obrigado Lulu, essa eu não vou esquecer!) também chamou e muito a minha atenção.  Por conseguir se encaixar em uma música que a primeira vista não tinha muito a ver com seu estilo, a cantora merecia com muitos louvores vencer a batalha. Luana foi nessa batalha, um exemplo de dinamismo, sabendo exatamente escolher os seus momentos e brilhar em absolutamente todos. Porém, eu ainda escolheria Nathalie, por seu timbre ser mais raro em realities do que o de Luana, mesmo sabendo que a oponente foi tão boa quanto a própria. Mais uma vez, não importava a escolha de Cláudia, qualquer resultado seria justo e qualquer eliminação, uma cagada. Mas, Luana deu a volta por cima na final cantando com Sam Alves e Ellen Oléria. Um final feliz para todos!

3) Lui Medeiros – Oceano (Djavan)

Fase: Tira-Teima

Técnica: Cláudia

Ainda que eu tenha gostado de todas as camadas apresentadas pelo cantor ao longo da apresentação, devo dizer que foi cantando Djavan pela segunda vez, que Lui brilho intensamente. Vou me repetir dizendo que o grave de Lui ainda apresentou defeitos, mas quando o tom subiu e Lui conseguiu abrir a sua voz ao público, ele conseguiu criar um elo entre música, voz e público e talvez seja esse o motivo do sucesso dessa apresentação. Foi aqui que decidi que Lui merecia chegar a final. Acho que não preciso nem dizer que a influência de Cláudia sobre Lui fez muito bem ao cantor (sim, essa influência existiu haahaha!), e assim é com muito orgulho que entrego a medalha de bronze ao cantor.

2) Rose Oliver – Lanterna dos Afogados (Paralamas do Sucesso)

Fase: Semifinais

Técnico: Brown

Rose Oliver também foi muito injustiçada nessa temporada. E como desgraça pouca é bobagem, ainda foi eliminada na semifinal, depois de fazer a sua melhor apresentação em toda a temporada para dar vaga a um tal de Romero Ribeiro (alguém ainda lembra dele? Não, tudo bem, então). Bem, o que eu mais sentia falta no The Voice Brasil foi que um cantor pegasse uma música bem fora do seu estilo e a dobrasse a seu favor, introduzindo inflexões próprias e criando a sua própria versão da música e não apenas um cover. Foi exatamente isso que Rose fez. Tentar mostrar o seu lado gospel cantando Paralamas não é para qualquer um e Rose o fez magistralmente. Se no programa, Rose foi eliminada antes da final, saibam que aqui ele é prata! E com muitos méritos (dela, não do técnico)

1) Carla Casarim – Atrás da Porta (Elis Regina) 

Fase: Top 16

Técnico: Daniel

Acho que não houve surpresas aqui, certo? Já assisti a essa apresentação tantas vezes que já conheço cada respiração que a cantora deu. Carla não interpretou uma história nessa apresentação, ela VIVEU uma história. E conseguiu atingir sucesso em todas as diferentes abordagens que fez. Seja no seu momento mais intimista, ou mesmo nos seus momentos de explosão. Um verdadeiro turbilhão de emoções foi o que essa apresentação foi. Eliminação a parte, Carla é uma das melhores vozes que já passaram pelo programa, e a coloco no mesmo patamar de Maria Christina, Ju Moraes, Liah Soares, Ellen Oléria, Krystal, Júnior Meirelhes, Sam Alves, Lucy Alves e outros. Estou até pensando em criar o Selo Carla Casarim de Qualidade hahaha. De qualquer maneira, Carla saiu do programa de cabeça erguida tendo a certeza de que seu melhor foi suficiente sim, ao ponto de ela estar aqui nesse momento recebendo a medalha de ouro do The Voice Brasil 2014. Parabéns Carla!

Bem, como eu disse lá em cima, muitas apresentações tiveram de ficar de fora, mas sempre vale a pena lembrar nomes que foram fortemente cogitados para essa lista:

Joey Mattos, Paula Marchesini, Kall Medrado, Maria Alice (não é piada; seria por “Memórias”), Lívia Itaborahy, Vitor e Vanutti, Dudu Fileti, Isadora Morais, Letícia Pedroza,  e outros.

Muito obrigado, galera e esse sim foi o nosso último post sobre o The Voice Brasil 2014. Fiquem com Deus e até a 4ª temporada (será?!)



Publicidade

Comentários (3) Postar Comentário

Thiago Moreno comentou:

Danilo Reis e Rafael pra mim foram as melhores, segido da Maria Alice por Memorias, as outras apresentações pouca gente se lembra e nao tiveram anda de marcantes alem de cantarem musicas zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz e Kim Lirio na frente de D&R é piada kkkkkkkkkk

Edu Brandao comentou:

Memórias foi realmente uma das melhores apresentações e Burn foi uma gtande melodia e nao poderia ficar de fpra Latch oonde Leandro foi magnífico

Artur LOL comentou:

Kkk para né?! Sinônimos foi de longe a apresentação mais marcante da temporada, não apenas pelo fato dos técnicos virarem após o Rafael falar o primeiro verso, mas também pela comoção do público. E como assim eles cairam de rendimento depois? Continuaram no mesmo nível, apenas não cantaram um música tão emocionante como Sinônimos, mas Romaria teve, também, uma grande carga de emoção. Meu top 3 do programa teria Sinônimos, Romaria , da dupla, e Drão, do Lui... Seu gosto é até que bem fraco por sinal, vendo isso, até me surpreendi por vc não eleger nenhuma do Romero... Colocar Ideologia nesse top 10 foi uó. Tu não curte sertanejo e fica de mimimi, pra voz é que não liga, se julgasse por voz, Sinônimos era top 1.

Veja também

Publicidade