O Planeta TV

Roger Sadala: criando e arruinando vidas

Assédio é uma série original da Globo desenvolvida para o GloboPlay.

por Redação, em 16/04/2019

Foto: Globo/Ramón Vasconcelos

Um médico que dá vida onde há infertilidade. Que devolve sonhos para famílias sem esperança. Ícone da reprodução humana no Brasil, Roger Sadala (Antonio Calloni) é um cara seguro, vaidoso, típico médico que se imagina Deus diante de tantas conquistas no papel de um “criador” de vidas. De presença imponente, conquista a confiança das pacientes logo de cara. Mas essa empatia inicial acaba sendo mais um elemento de confusão mental quando elas são abusadas e violentadas ainda sob o efeito de medicamentos ou anestesia. Primeiro, elas duvidam se aconteceu; depois, se culpam pelo o que aconteceu; e, em sequência, sentem vergonha pelo o que aconteceu. 

Do outro, ele segue tentando manter o papel de acolhedor, lhes garantindo que, ainda assim, vai ficar tudo bem. Vai assim, transformando o sonho da maternidade numa cruel e, na maioria das vezes, solitária realidade. “Roger tem um protagonismo indiscutível na série, e, ao mesmo tempo, um antagonismo. É um personagem que gera a ação, que provoca e escancara a discussão sobre o assédio, não somente sobre o assédio sexual, mas também sobre o assédio moral. O médico e o monstro, dentro dele, têm uma convivência escura e harmoniosa”, resume o ator Antonio Calloni.

Fora do consultório, Roger gosta de cultivar a persona de um sedutor. Casado com Glória (Mariana Lima), é investigado pela própria mulher, que, com um ciúme doentio, tenta flagrá-lo com cada uma de suas amantes sem nunca ter coragem ou força para deixá-lo. A minissérie mostrar também o misto de amor, admiração e decepção dos filhos com o médico. O casal tem quatro filhos: Clarice (Silvia Lourenço), Henrique (Gabriel Muglia), Tamires (Bianca Müller) e Leila (Sabrina Greve). Roger cultiva um amor incondicional por sua mãe, Olímpia (Juliana Carneiro). 

“Glória tem uma trajetória dolorosa, mesmo descobrindo os casos do marido, continua casada e fiel a ele. Foi um convite audacioso. Ela é uma mulher mais velha que eu, com filhas de 30 anos e com uma carga dramática gigante para segurar. Fiquei feliz e em pânico, consciente das dificuldades e da complexidade da personalidade dela. Acho que o maior desafio é justamente entender e construir essa mulher que convive diariamente com uma pessoa como o Roger. A pergunta que sempre se renova para mim é: qual é o tamanho desse amor que ela sente?”, indaga Mariana Lima.

Foto: Globo/Ramón Vasconcelos

No trabalho, Roger conta com uma equipe de excelência responsável por não deixá-lo falhar nunca: advogados, assessores de imprensa e relações públicas, que o acompanham e divulgam cada tratamento realizado. Entre eles, se destacam Pedro Paulo (Pedro Nercessian), assessor de confiança, e Artur Castelo (Paulo Miklos), relações públicas que atua como gestor de crises e confidente quando as denúncias vão adiante.

É no consultório que Roger, ainda casado, começa a se relacionar com Carolina (Paolla Oliveira). Promotora casada com um juiz amigo do médico, ela se separa do marido depois de sofrer um aborto espontâneo. Passa, então, a esperar Roger, que lida com o avanço de um câncer de Glória. Carolina se torna sua segunda mulher e será ela quem estará a seu lado ao longo de todo o processo criminal até sua prisão. “Foi uma participação especial, porém intensa. Carolina não é assediada. Daí vem o pacto deles, e o encontro dos dois. Ela talvez seja a única que o assedia. O desafio foi supor quais sentimentos e que tipo de amor é esse que supera todas as acusações contra ele”, explica Paolla Oliveira.

Primeira série original da Globo desenvolvida com exclusividade para o Globoplay, ‘Assédio’ chega à TV aberta no dia 03 de maio. A obra de 10 episódios é escrita por Maria Camargo, com Bianca Ramoneda, Fernando Rebello e Pedro de Barros. A direção artística é de Amora Mautner, direção-geral de Joana Jabace e direção de Guto Botelho. A série é livremente inspirada no livro “A Clínica: A Farsa e os Crimes de Roger Abdelmassih”, de Vicente Vilardaga. 



Publicidade

Comentários (0) Postar Comentário

Nenhum comentário encontrado. Seja o primeiro!

Veja também

Publicidade