O Planeta TV

"Amor de Mãe" é menos vista que novela das sete, mas fica acima dos 30 pontos

A novela marca a estreia de Manuela Dias na faixa das 21h.

por Redação, em 17/01/2020

As protagonistas. Foto: TV Globo/João Cotta

Apesar de ter um público inferior ao da novela das sete, em alguns dias, “Amor de Mãe”, a primeira novela das nove escrita por Manuela Dias na faixa das 21h, vem conquistando uma média acima dos 30 pontos.

Nesta semana, pelo menos entre segunda (13) e quinta (16/01), o folhetim, estrelado por Taís Araújo, Regina Casé e Adriana Esteves, não ficou nenhum dia abaixo dos 30 pontos. Devido a instabilidade durante o mês de dezembro, no entanto, a sua média geral é de apenas 28,4 pontos (com um total de 46 capítulos exibidos).

“Amor de Mãe” tem previsão de 155 capítulos. O último será exibido no dia 22 de maio. A obra será substituída por “Em Seu Lugar”, que será estrelada por Cauã Reymond – que dará vida a gêmeos.



Publicidade

Comentários (10) Postar Comentário

Televisivo comentou:

Infelizmente acredito que a novela ficará estagnada nessa audiência morna, mas isso não a isenta de ser uma boa obra, com um texto apurado. Porém, essa direção conceitual, com estampa de cinema, afugentou o grande público. É uma novela, sem estética de novela, presa muito pelo realismo. No mais, eu adoro "Amor de Mãe", gostaria muito que tivesse o reconhecimento merecido.


Lívia Manueler respondeu:

Também adoro essa novela. Acho uma pena não ter o reconhecimento que merece. Pra mim, é uma obra prima. E acho que ta aí o erro dela, visto que novela precisa ter apelo popular. No mais, não tendo interferência de Silvio de Abreu nem apelação pra audiência subir, continuarei amando.



Chico Flávio Medina respondeu:

Não é a "direção conceitual, com estampa de cinema" que afugenta o público, é a história. Novelas em preto e branco, com boas histórias, foram campeãs de audiência. Antes do HD, novelas com imagem de qualidade pobre deram grandes audiências. O mais importante é o texto, que quando é bom, motiva os atores a entregar boas atuações, os diretores a identificar qual a estética e a linguagem adequadas para aquela história. É o texto que faz o público se apegar a uma novela, filme, série, peça teatral e a livros.



Ralf respondeu:

Pois é Chico, não criam personagens e situações que atraem o publico. Antigamente a gente torcia pelos personagens, os principais sempre tinham uma trilha musical, hoje é tudo genérico, sem emoção, sem vida.



Chico Flávio Medina respondeu:

Ralf, tem uma questão política por trás dessas pessoas que acham "Amor de Mãe" a última gota d'água no deserto. A autora da novela é militante, sabe? E a galerinha aí já identificou esse fato. Então, para eles, defender "Amor de Mãe" é uma forma de resistência. Aliás, os autores de novela que estão no ar estão bem engajados na lacração e militância. O presidente solta um porcaria, dias depois, a "porcaria" é colocada na boca dos vilões da novela. Chegamos a este ponto: novela não é mais entretenimento, mas, sim, militância e resistência. Eu fui censurado neste site, Ralf: respondi a um comentário com minhas opiniões sobre "Amor de Mãe", um texto grande, que não foi publicado. É um total absurdo. O jeito é esperar até maio para essa militância teledramaturgica acabar. Tenho certeza que daqui pra maio a audiência vai cair. Será a resposta do grande público, que quer entretenimento, não lacração, chateação e militância.



Alberto Soares respondeu:

Chico, se acalme. Você anda muito nervosinho. Se não gosta da novela é só não assistir, ué. Sua opinião não precisa ser a maior verdade do mundo.



Marquinhos P. respondeu:

O problema de hoje em dia é essa chatice de gente que se acha o juiz acima de tudo e de todos e que quer impor que sua opinião seja aceita de qualquer forma, e que o que diz é a maior certeza(como Chico). Antigamente as pessoas ou gostavam ou não gostavam de determinada novela, não precisava ficar nesse debate chato e por muitas vezes arrogante. Entro no site pra ver notícias e me deparo com um bando de gente que se acha o maior crítico da galáxia falando besteira, quando na verdade ninguém perguntou.


Beto Marquez Molina comentou:

Na minha humilde opinião, mesmo sendo anunciada como uma obra cheia de emoção, foram poucos os momentos em que essa novela me tocou de verdade. Falta algo ali. Sem contar que eu não aguento mais novelas com imagem de cinema e narrativa de seriado. Quero as boas e velhas narrativas folhetinescas de volta, com imagens claras e dinâmicas.

BRUNO comentou:

Incompreensível esses pontos, afinal, Amor de Mãe reúne qualidades que os folhetins anteriores não reuniam. Texto primoroso, direção inventiva e segura, interpretações muito acima da média, fotografia de dar água na boca. Não falta alívio cômico não como alguns dizem. Regina Casé, Malu Galli, Debora Lamm e Milhem Cortaz, por exemplo, se encarregam do humor apurado, sem deboche, sem parecer esquetes do Zorra Total.


Chico Flávio Medina respondeu:

Texto primoroso tinha "Vale Tudo". "Amor de Mãe" tem diálogos bons, mas tem muitos ruins também. Melhor que "A Dona do Pedaço" é, mas qualquer coisa é melhor que aquilo? Manuela Dias está pesando a mão na militância, e a trama é cheia de histórias chatas. O público, com algumas exceções, claro, não quer ver escola ocupada, alunos e professores apanhando da polícia. O capítulo de hoje, sexta-feira (17/01/20), foi triste de ruim. Enfim, é o que temos, às 21h, até maio. Aceita ou deita mais cedo.



Diego Alves Cabral respondeu:

Comentário aprovadissimo. Novelao as 21h


Ralf comentou:

Acho que a ultima chance dessa novela é o BBB, se o reality cair no gosto das pessoas, poderão utilizar a novela como sala de espera até começar o BBB. No mais, a novela continua chata, arrastada, cheia de lacração. Outro capítulo teve um a roda de violão, uma coisa chatérrimaaaaaaaa, fora a imagem escura.


Diego Alves Cabral respondeu:

O Problema é o gosto de vocês. Estão acostumados com novelas que não retratam a realidade. Gostam de historias fantasiosas de pessas que ficam ricas do nada, perdem tudo do nada e recuperam de novo. Estilo Walcyr Carrasco, que só me preende na frente da TV quando escreve pro horário das coisas 18h, onde qualquer coisa é aceitável


Guilherme comentou:

A verdade é que a atualização anual do ponto no Ibope acaba por mascarar um sucesso de audiência e fabricar um fracasso de público. Em 2001, O Clone tinha uma média de 47 pontos quanto um ponto representava 47.000 domicílios. Essa mesma média geral hoje seria equivalente a aproximadamente 30 pontos de média. Ao passo que os “míseros” (e caso as aspas não sejam suficientes, fica a dica pra esse autor sensacionalista: foi ironia) 28,4 pontos, contagem em que cada ponto representa 78.000 domicílios em média, em 2001 chegaria a corresponder a 45 de média geral. Isso automaticamente faz de A Força do Querer e Outro Lado do Paraíso por exemplo, verdadeiros fenômenos de audiência, mas de ma eita alguma faz de Amor de Mãe um fracasso. Culpem o Ibope que mede audiência em pontos e não em milhões, como todos os outros países do mundo.

Felipe Ricardo comentou:

Quando acaba Bom Sucesso eu vou logo assistir Amor Sem Igual, que é ótima e só tem a intromissão de Cristiane Cardoso de ruim e são poucas vezes que depois eu volto pra Globo para assistir Amor de Mãe. Pensei que Amor de Mãe fosse ser uma nova A Lei do Amor... mas pra mim a novela da vilã Magnólia é bem melhor.


Robson Israel respondeu:

Amor de Mãe é mil vezes melhor que A Lei do Fiasco


Raysner de Paula comentou:

cês têm é dificuldade de acompanhar uma história que exige um pouquinho mais. larga de preguiça, minha gente. bora caminhar. dois mil e vinte.


Alberto Soares respondeu:

Acho o mesmo. O pessoal tá acostumado a pessoas que ficam ricas do nada, filha que quer se vingar da mãe sem o menor motivo, histórias milaborantes e apelativas. Coisa de Amor de mãe não é. Como já disseram... é uma novela sem o menor apelo polular. 30 pontos já tá de bom tamanho.



Chico Flávio Medina respondeu:

Falou o gênio... É uma pena o público não conseguir acompanhar uma novela tão maravilhosa. Cria vergonha antes de soltar um comentário infeliz desse. Novelinha cheia de tramas batidas e mal alinhavadas. Acorda, Alice!



INÊS SENSATEZ respondeu:

Então, Raysner e Alberto, vocês vão passar a vergonha no débito ou no crédito? Porque, por favor, né? Se a novela não é o fenômeno que vocês acham, é porque o público não é capaz de assimilar a história? Já passou pela cabeça "privilegiada" de vocês que, simplesmente, a trama não agradou ?


Aparecida comentou:

Acho a novela meio morna, deixei de assistir, vou me ocupar com coisas mais valiosas.
A Globo tem que chamar é Glória Perez para trazer uma boa história.

Andre Luiz comentou:

Se A Dona do Pedaço fosse esticada, Amor de Mãe iria estrear no dia 06/01 ou no dia 13/01.

Andre Luiz comentou:

Se essa novela continuar com a audiência baixa, eu acho que ela pode ser encurtada, e ao invés de terminar com 155 capítulos (número de capítulos previsto), ela pode ser encurtada em 1 mês, e pode terminar no final de abril com uns 131 capítulos. E seria a novela mais curta do horário. Já que hoje as novelas da globo tem entre 150 e 160 capítulos. Isso também aconteceu com Babilônia, que terminaria em 25 de setembro de 2015 com 167 capítulos, mas por causa da baixa audiência foi encurtada em 1 mês, chegando ao fim com 143 capítulos.

Veja também

Publicidade