O Planeta TV

A morte do televisor

Por: Nelson Gonçalves Junior E-mail para contato: [email protected]

A morte do televisor

Este último final de semana foi de folga para este que vos escreve. Foi um daqueles momentos em que o seu único desejo na vida é o de não fazer absolutamente nada que te canse, estresse ou use seu cérebro. Esta cena, tradicionalmente, se refletiria em horas e horas na frente da televisão. Certo?

Não mais!

Preferi assistir alguns dos dezesseis dvds (entre emprestados, comprados e alugados) que se empilham na minha prateleira do quarto. Optei por navegar algumas horas na internet, sem nenhum interesse específico, depois ir ao cinema assistir ao decadente e incrivelmente ruim “Rambo”. Depois ainda comer uma pizza, passear pelo shopping, curtir o Parque do Ibirapuera...

Ai você se pergunta: esta coluna virou um mero diário deste colunista?

Felizmente não!

É apenas uma forma de demonstrar, com um exemplo concreto e pessoal, como a televisão vem perdendo público para outras formas de entretenimento. Cada vez mais o brasileiro passa menos tempo ligado na telinha.

Isto explica o fato de que a audiência da TV Globo é cada vez menor, mas os índices das concorrentes não sobem na mesma proporção. Atingir 50 pontos no IBOPE nos dias de hoje é fato raro. E fica ainda mais distante, se formos lembrar que há 20 anos atrás, eram comuns índices como 70 ou 80 pontos de audiência.

Ai fica a dúvida: o que aconteceu neste caminho? Aonde foi que a televisão se perdeu?

Vejo dois motivos principais para esta mudança de rumos. Um interno e outro mundial:

O interno se deve ao fato de que a cultura e a qualidade de vida do povo brasileiro melhoraram. Longe do ideal, é verdade. Entretanto já sobra dinheiro para se viajar mais, para ir jantar no restaurante novo da esquina, para se assistir a uma peça de teatro...ou seja, não sobra tanto tempo para ver televisão.

E o motivo mundial chama-se globalização. Confesso não gostar desta palavra. Ela virou sinônimo para se explicar qualquer fenômeno, seja lá qual for. Daqui pouco até o El Nino é culpa da globalização!

Mas enfim, com a aproximação dos povos pelos mais diversos meios de comunicação e pelo constante aumento na interatividade destes meios (a internet está ai pra não me deixar mentir), ficamos mais exigentes. O nosso velho televisor não faz nada de diferente há muitas décadas. Ele é uma ilha perante a tantos avanços tecnológicos presentes no mundo globalizado de hoje.

A era digital representa o futuro e o caminho a ser seguido, mas significa também a morte daquilo que estamos acostumados desde sempre. Quando realmente tivermos o sistema digital implantado no mundo todo, a TV irá acessar a internet, você vai gravar tudo no seu próprio aparelho, vai fazer compras, usar telefone, assinar serviços...Uma convergência de mídias absurda, impensada para nós até poucos anos atrás.

E ai a televisão deixará de ser apenas televisão. Estamos por acompanhar a morte do aparelho televisor. Ele está fadado as lojas de antiguidades. Mesmo caminho, que um dia não muito distante, tiveram as máquinas de escrever, os toca discos e os vídeo cassetes.


CHICO ANYSIO

A Rede Globo retirou a “Escolinha do Professor Raimundo” da grade da Globo Internacional. Era o único programa de Chico Anysio que ainda restava em algum canto da Plim Plim. Burrice tremenda desperdiçar o talento de um monstro sagrado da televisão como este. Se ele só fosse apenas um grande ator...Se ele fosse somente um humorista fantástico...Se ele simplesmente escrevesse maravilhosamente bem...Mas não. Ele é tudo isso. E ao mesmo tempo.





Comentários (0) Postar Comentário

Nenhum comentário encontrado. Seja o primeiro!

Veja também