O Planeta TV

Familiaridade: O ingrediente que falta às novelas atuais

Tramas apresentam personagens e situações longe da realidade dos brasileiros.

Por: Emerson Ghaspar - Contato: [email protected]

Venho acompanhando, há algum tempo, o sucesso que A Gata Comeu, Pai Herói e Torre de Babel tem feito no canal Viva. Não cabe aqui comparar emissoras, nem as épocas que foram produzidas, mas sim o que faz desses produtos um grande atrativo para os noveleiros, que as preferem e assistem diariamente em contrapartida as atuais.

Tirando o saudosismo de lado, há um grande abismo entre as tramas antigas e as atuais. Enquanto as atuais prezam pelo elenco (nem sempre eficiente), pelos cenários requintados, pela tecnologia de ponta para efeitos visuais, filtros e mais filtros em suas produções (sem falar em uma direção de apenas três planos), as novelas antigas prezam exclusivamente pelo bom texto e talento de atores. Se você prestar bem atenção, são esses dois fatores que faziam o grande sucesso dessas novelas.

A evolução das tramas seja artística ou tecnicamente sempre se fez necessária e sempre será, mas então me veio a questão? Por que as novelas atuais não nos cativam como antigamente? Resposta simples: falta familiaridade.

Que a internet, TV paga e outros meios influenciaram nosso modo de ver, isso ninguém discute mais, porque isso se chamava variedade/opções. A questão é: Por que vou assistir uma novela que não tem nada a ver comigo? Que não me apresenta nada novo. Mais do mesmo, que já sei onde vai dar e que não tem nenhum personagem parecido comigo.

Hoje os personagens são um amontoado de pessoas num lugar, mas sem nenhum laço emocional. Quer um exemplo? A família Leitão de A Lei do Amor é um deles. Pedro (Reynaldo Gianechini), seus irmãos, sobrinhos e outros que ali residem parecem apenas conhecidos que habitam o mesmo espaço. Se fosse uma república seria mais coerente.

Falta laços maiores, uma sensibilidade que permite só no olhar do personagem saber toda alegria ou tristeza que ele está passando. Falta simpatia entre os personagens, falta carisma. Parece que representa a vida com exatidão, onde todos estão ocupados com a própria vida medíocre, sem tempo para ir além.

Não é uma crítica a nossa realidade, mas a falta de vínculos entre os personagens. No afã de contar várias histórias e debater vários assuntos de nossa sociedade atual, são só histórias soltas que não nos cativam pelos personagens fracos.

Seria a solução contar histórias simples, repletas de sentimentos que nem sempre valorizamos? Não sei, ninguém tem a receita para um folhetim de sucesso estrondoso, mas acredito que colocar um pouco mais de emoção em cenas e colocar os personagens para falar e se comportar como pessoas como a gente possa ser uma forma de conquistar o telespectador a longo prazo.

No momento há somente duas opções de novelas no ar: as que são de época ou fantasia e que assumem claramente isso apelando para uma realidade diferente da nossa ou aquelas que querem ser realistas, mas não apresentam algo que chegue próximo disso. Claro que há exceções, como a bem estruturada Rock Story, mas nas demais falta o principal: alguém para quem realmente torcer e amar, talvez alguém humano como a gente.





Comentários (17) Postar Comentário

Mario comentou:

E os elencos são mais fracos. Tem um monte de ator ruim em “A lei do amor”, por exemplo.
E tem a química, falta química entre Jose Mayer e Vera Holtz, coisa que sobrava entre o Zé Mayer e a Regina Duarte em História de Amor.
Será que não está na hora de trazer o Maneco de volta, especialmente para o horário das seis, com direção do Ricardo Waddington

Gilson comentou:

Maior exemplo dessa torre de Babel atual (perdoe-me Silvio de Abreu pelo trocadilho) é realmente "A Lei do Amor". A começar pelo título que não tem nada a ver com a história. Alguém acredita no amor de Pedro e Helô? Ela até que se esforça, mas no caso dele, é um paspalho em cena. E não existe nenhum outro casal da história pelo qual se possa torcer. Cientes disso, os autores já fez troca-troca geral e ninguém saiu ileso. Então talvez deva-se apostar na comédia para se criar alguma sintonia com o público. Nesse quesito a novela das nove também falha. Se a intenção da sinopse era pôr isso nas costas da Claudia Raia, então falhou. Heloisa Perisse é só mais dela mesma. Sua personagem só serve pra fazer spoiler do próprio capítulo. A Grazi Massafera tenta ser engraçadinha, mas não tem contexto. Então vamos aos vilões, já que ultimamente eles é que despertam paixões. Então eis que Dona Vera Holtz até tenta, mas não consegue fazer milagres. Sua poderosa Mag está longe de ser sensual (requisito da personagem). Alguém vê sensualidade nela? E o Tião? Ultimamente ele não tem nem sabido das grandes maldades da novela. Coitado, foi até preso inocentemente! Apesar disso, é um dos personagens mais honestos da história. Merecia o título de mocinho. Por fim, que tal apostar nos belos rostos, nos jovens atores? Mas eis outra grande decepção. Duas Alice Wergman não compensam o fiasco de um Humberto Carrão, queridinho dos autores. O mico foi tanto que essa foi a novela em que mais morreu personagem jovem. E os que sobraram bem que poderiam morrer também. Moral da história: que se acabe logo a atual novela, e ninguém nem vai lembrar que um dia passou no horário nobre.


Mateus respondeu:

Disse tudo meu caro parabens!



Carlos Luiz de Oliveira respondeu:

Perfeita sua análise, espero que alguém poderoso da Globo leia e repense , ou melhor , retome o jeito certo de fazer novelas. Quem sabe os autores deveriam ver as atuais do Viva e tb Tieta que vem por ai!


Marcus comentou:

Falta muita coerência também, as novelas não prezam pelo bom mocismo, engrandecem os vilões e os glamourizam, Vera Holtz foi alçada a melhor atriz do mundo e quase foi indicada ao oscar, enquanto Cláudia Abreu, tão bem quanto ela, foi chamada de atriz porquinha e levou um empurrão ao vivo do Faustão. Lembro quando a grande e famosíssima atriz Natália Lage interpretou uma vilã em 1996 foi execrada em praça pública e quase assassinada, se fizesse o mesmo papel hoje, estaria sendo venerada e comparada a Suzy Rego, a maior atriz em atividade. No mais, não existirá novela como Negócio da China que misturou todos os ingredientes de sucesso e fez história.


Vlad respondeu:

Não seja bizarro!!!! Negocio da China todo mundo sabe que foi o maior fracasso da Globo!!!!



Gustavo Horn respondeu:

Ei Marcus, falta muita coerência no que você escreveu também. Lamento informar.



Marcus respondeu:

Talvez, não. Lembram-se quando Neusa Borges se tornou a melhor atriz fazendo uma mocinha ingênua que era seduzida pelo galã Leonardo Vieira? Foi ali que o jogo virou e a partir das vilanias da personagem começaram a amar as vilãs, depois veio Açucena de Carol Dieckmann e a Paixão de Priscila Sol, amplamente odiados por serem sonsas. A telenovela declinou mto.


Carlos Luiz de Oliveira comentou:

Concordo plenamente. As novelas tem personagens demais e histórias de menos. só vejo Pai Herói e A gata comeu.

Rodrigo Chame comentou:

Perfeito texto! Eu acompanho Torre e Gata no Viva e são ótimas, as atuais estão mais preocupados com agilidade e com efeitos do que com história!

Vlad comentou:

São esses e outros fatores que fizeram de novelas antigas verdadeiros CLASSICOS. Muita gente nao gostou quando disse que Cheias de Charme não foi um clássico. E repito: não foi mesmo. Ela foi um CULT, é diferente, é uma relação de adoração a um produto de arte ou entretenimento. Outro CULT bem conhecido é Quatro Por Quatro.... Clássicos foram , como exemplo, O Astro, Locomotivas, Pai Heroi, Agua Viva, Vale Tudo, Gabriela, Roque Santeiro...novelas que arrebataram o publico. Outra coisa: ninguem precisa argumentar que prá que uma novela seja sucesso o publico tem que se lembrar de todos os seus capítulos. Isso é impossível, ainda mais se tratando de novelas bem antigas. Falo isso porque o dono deste blog argumentou ignorantemente certa vez que Dancin Days nao foi sucesso porque as pessoas so lembravam do ultimo capitulo!!! Quanta infantilidade!!!! Até parece!! Nem eu me lembrava de detalhes do enredo ....por isso assisti de novo ...e gostei mais ainda!!!!!!! Em tempo: DANCIN DAYS foi um clássico e um CULT...kkkkkk


Cida respondeu:

DANCING DAYS só ficou conhecida pelo último capítulo e por conta da música. Na época só foi estouro por conta da disc music. Tirando isso, uma avalanche de críticas à novela, cuja história era vazia. E muitos personagens sem função, e perdidos



Vlad respondeu:

Cida, estamos falando de Sucesso!!!!! Dancin Days foi sucesso!!!!!! Era criticada e foi sucesso...pensou se nao fosse criticada???????



Julia respondeu:

Discordo vi dancin days no viva e nao a considero como um classico pode ate ser mas pelo o auge das discotecas,mas prefiro agua viva essa sim na minha opiniao e um classico.



Carlos Luiz de Oliveira respondeu:

Tirou as palavras de minha boca...



Adilson Ribeiro de Oliveira respondeu:

A pergunta que nao quer calar: quem discorda de DANCIN DAYS ser um clássico, viveu a época ou lê , pelo menos, manuais de TV ou visita os sites de tv para confirmar se ela foi ou nao um sucesso???? tá erto, sou um velhinho, vivi a época e sei qeu foi sucesso...voces ficam no ouvi dizer e ouvi falar.....filtrem as noticias que leem....


LUIS CÉSAR comentou:

Realmente falta as novelas mais " sentimentos " principalmente em relação a família. Alguém aí viu em novelas atuais uma família bem estruturada, onde reina o amor e a cumplicidade apesar dos vários problemas que afetam uma família? ! Não! Só tem gente sem estrutura , desequilibrados e sem noção! Quem não se emociona ao ver a família do professor Fábio da gata comeu, Onde um pai viúvo defende e ama seus filhos sem limites? Quem não lembra da novela sassaricando Onde a personagem de Fenanda Montenegro, criava um monte de filhos adotivos e por eles fazia as maiores loucuras para os criar e proteger? E da novela felicidade Onde Maite Proença fazia o papel de Helena, e criava sua filha sozinha com muito amor e dedicação à menina? É isso que tá faltando as tramas atuais mostrar mais sentimentos e humanidade entre seus personagens.


Carlos Luiz de Oliveira respondeu:

Concordo, só 1 correção, a novela da Fernanda Montenegro que vc citou foi Cambalacho, que passou recentemente no Viva!


Cristiancc comentou:

Outro grande problema é a repetição de elenco e a falta de talentos de peso, como a Lucélia Santos, fora das novelas há anos, apesar dos milhares de apelos pela sua volta ás novelas da globo.

Eduardo comentou:

Concordo com o texto. O problema das atuais novelas já começa na sinopse, com histórias sem coesão, coerência ou histórias fortes e interessantes. A condução das sinopses e o desenrolar da história de acordo com a oscilação da audiência também tem sido um ponto forte de desrespeito à inteligência do telespectador, que começa assistindo a uma coisa e termina assistindo a outra. Os textos estão ruins, fracos, sem bons ganchos, com pouca criatividade, sem elaboração, inconsistentes, enfim, foram nivelados por baixo para agradar uma suposta classe C do Brasil. Os personagens criados são igualmente ruins. Todos desconectados entre si com núcleos soltos no meio da história sem nenhuma explicação para sua existência no contexto geral. Os atores selecionados, vish... piorou. Um monte de patricinhas e mauricinhos sem nenhum talento ou carisma, e isso pra não mencionar a repetição a exaustão de determinados (péssimos) atores, como Cauã, Bruna, Marina, Bruno, Giovanna etc (nem precisa mencionar sobrenomes, nós já estamos de saco cheio de vê-los em todas as novelas). Onde estão os bons atores, que simplesmente desapareceram como Natália do Valle e outros? Enfim, o excesso de tecnologia tornaram as cenas mais artificiais, excesso de maquiagem e ensaios tornam as cenas inverossímeis, os atores não interagem com os cenários (excessivamente falsos e bem decorados, mesmo a casa dos pobres) e deixam claro que estão apenas atuando, e não vivendo os personagens. De um modo geral, sobram problemas.


Paulo Grande respondeu:

Eduardo, você é simplesmente excelente. Adoro os seus textos. Você é muito inteligente. Um beijo!!!



Carlos Luiz de Oliveira respondeu:

Ótima crítica. Isso mesmo. Assino!


Vicente comentou:

Concordo com o autor do texto. Mas aí vai a pergunta que não quer calar: por que então as novelas de Manoel Carlos, as mais ricas neste ponto apresentado pelo texto, têm sido tão rejeitadas pelo público?


Vlad respondeu:

Putz........calou todo mundo....rsrsrsrsr, isto faz repensar que o problema é mais embaixo!!!! O tempo passa, os costumes também.....gostar de novela hoje tem outro aspecto!!!!!!



Carlos Luiz de Oliveira respondeu:

As novelas dele não fazem mais sucesso porque ele anda muito repetitivo e mais do mesmo. Vc pode até contar uma mesma história, mas não deve contá-la do mesmo jeito.



Fernanda respondeu:

Porque as novelas dele passaram a ser tão repetitivas que o público já não sabe mais qual é qual. Todas muito parecidas, a gente até confunde as tramas! Outra coisa que se tornou chata é que Maneco passou a apelar muito para cenas de sexo fora de contexto. Algumas são até bonitas e importantes na trama, mas outras são apelação mesmo.


Veja também