O Planeta TV

Bruno Gagliasso ameaça deixar de atuar se as censuras persistirem

O ator faz desabafo durante o Prêmio Contigo! de Televisão.

por Bernardo Vieira, em 09/06/2015

Foto: Estevam Avellar/TV Globo

Na noite desta segunda-feira, 8, durante o Prêmio Contigo! de Televisão, o ator Bruno Gagliasso subiu ao palco para receber seu troféu de Melhor Ator em Série ou Minissérie pelo serial killer na série Dupla Identidade, que a Globo exibiu no fim de 2014. Porém o ator acabou fazendo em desabafo sobre não só o encolhimento do seu personagem na novela “Babilônia”, como também o fracasso da mesma pelo boicote dos conservadores.

Antes de falar de Babilônia, o ator começou fazendo uma retrospectiva da sua carreira e começou falando da novela que o revelou na teledramaturgia - América (2005), que na ocasião teria protagonizado o primeiro beijo gay da TV brasileira (cujo título hoje está com o SBT pela novela Amor & Revolução), mas a cena não foi ao ar em razão de um veto feito pela executiva da Globo.

"Fiz uma novela chamada América e em que fiz um cara que se descobria homossexual durante a novela. Fiz essa novela com muito tesão, muito mesmo. Sou movido a isso. E nessa novela eu gravei o beijo gay no último capítulo, mas uma hora antes de a novela ir ao ar cortaram o beijo e não avisaram às pessoas do elenco. Fiquei muito triste na época. Depois vi o Mateus (Solano, o Félix de Amor à Vida) e torci tanto, sabia que era um grande passo que o Brasil ia dar, e deu", disse o ator.

Seguindo em frente, o ator, então, falou do seu drama com a atual novela das nove. "E hoje, fazendo a mesma novela que a Fernanda (Montenegro, que forma um casal lésbico com Nathalia Timberg em Babilônia), eu vi o beijo gay e não vi mais, isso me deixou muito triste. A gente tem que tomar muito cuidado, porque quem faz arte é movido a paixão, a tesão, a emoção; e esse personagem com o qual ganhei o prêmio me motivou por isso, porque ele faz a diferença, transforma. Não vamos dar um passo para trás. Estou muito triste, feliz pelo prêmio, mas triste por estar vivendo este momento. Só vou continuar sendo ator se eu puder transformar e puder fazer, vamos bater o pé. O desabafo é esse. Tenho orgulho desse prêmio e quero continuar tendo orgulho do que eu faço, senão vou parar de fazer."

O ator deixou o palco sob uma grande onda de aplausos da plateia formada, na sua maioria, por atores da Rede Globo. 


Publicidade

Comentários (3) Postar Comentário

Paula comentou:

É óbvio que muitos atores da Babilônia, estão frustrados não apenas pelo ibope baixo, mas porque eles foram oferecidas personagens que, em seguida, pelos números baixos e consevadorismo, e não pela inspiração do autor, acabaram por ser outra coisa.
Mas, ainda assim, parece um pouco demais dele, porque eu tenho a impressão de que tudo se limita aos problemas estruturais da Babilonia. E eu não acho que para além, tanto assim que a prostituição na íntegra será abordada em Verdades Secretas, e que em Felizes para Sempre, Paolla Oliveira deu vinte beijos gays, e também teve cenas de amor entre ela e Fernanda Cândido.

Os autores da Babilônia, não conseguiram apresentar as suas histórias bem, envolver o público com bons argumentos e imponer as controvérsias através de uma boa novela, então os números despencar para baixo, e eles decidiram atacar e alterar os personagens base da controversas sem percebir que esta não era a solução, mas melhorar a história central da novela, a narrativa, a relação dos personagens principais, e modificaram o que na novela, se fora bem escrita, teria sido o destaque da Babilônia.


Ana Laura respondeu:

Concordo com seu comentário,principalmente no que que diz respeito de os autores não terem conseguindo apresentar a historia bem para o publico.O que se vê em Babilonia e Verdades Secretas são duas novelas que tem ou tinham temas semelhantes a serem abordados,mas que são contrarias em todos os sentidos.Verdades Secretas em uma semana vale mais a pena assistir do que toda novela Babilônia.Não foi os temas que afugentaram o publico,mas sim a falta de competência dos autores apresentarem a historia de uma forma compreensível e aceitável de se vê.


André Ouacht-Èrnatti comentou:

Bruno ainda é um moleque. Um produto de Antonio Gramsci! O público de telenovelas sempre foi conservador - em especial as donas-de-casa, as senhorinhas, as fofoqueiras e as românticas - e não esse pessoal "antenadão" intelectualoide que é adepto do "liberar geral" e do multiculturalismo.
Se esse mesmo público não quer ver essas coisas, por que dar murro em ponta de faca. Ô Burro G*giliaço, ESSE PESSOAL QUE CITEI É O SEU CLIENTE que dá audiência para a novelinha que tu atuas. NÃO CUSPA NO PRATO QUE COMES.
Não aguenta, vá pro teatro, cinema, TV paga ou os Netlfixs da vida onde têm o público que vai adorar ver o seu 'tesão' em fazer essas coisas. TV aberta e gratuita é outro público. Caso contrário, CENSURA JÁ E ADEUS, BRUNINHO!

Eva Lúcia comentou:

OS AUTORES E DIRETORES PRECISAM OUVIR E ATENDER AOS PEDIDOS DOS TELESPECTADORES, POIS SOMOS NÓS QUE DAMOS AUDIÊNCIA.
HÁ ANOS VEJO PEDIDOS DE FÃS IMPLORANDO A VOLTA DA ATRIZ LUCÉLIA SANTOS. ATÉ CAMPANHA JÁ TEVE, O BRASIL INTEIRO PEDINDO A VOLTA DESSE ÍCONE MUNDIAL QUE RECENTEMENTE DEU SHOW NA DANÇA DOS FAMOSOS E NA REPRISE DA NOVELA ÁGUA VIVA.
O QUE É QUE ESTÁ FALTANDO PRA ESSA ESCALAÇÃO ACONTECER? NÃO É POSSÍVEL QUE NÃO HAJA UM RESPONSÁVEL QUE ATENDA OS TELESPECTADORES E ESCALE LOGO A LUCÉLIA SANTOS.

Publicidade

Veja também

Publicidade