O Planeta TV

Sabrina Sato e Richarlyson comentam trajetória no Made in Japão

A final do reality da Record aconteceu no último sábado (27/06).

por Redação, em 02/07/2020

Foto: Antonio Chahestian/Record TV

Descansados da emocionante final do Made in Japão, Sabrina Sato e Richarlyson revisitam a temporada do reality da Record TV com um sorriso no rosto: para ambos, a experiência foi recompensadora. De um lado, o jogador diz ainda assimilar a ideia de que superou barreiras e se consagrou vencedor da gincana maluca que conduz a atração; de outro, a apresentadora comemora o retorno positivo do público e o fato de que tirou de letra sua primeira experiência ao vivo à frente de um programa próprio, ocasião na qual brilhou.

"Eu estava segura. Tudo foi muito bem organizado e contribuiu para que eu me sentisse à vontade. Fiquei bastante emocionada com os nossos três finalistas, além de feliz e realizada com o projeto", ressalta Sabrina, que anunciou em tempo real o ganhador, no último sábado (27/06).

Com Richarlyson, concorriam ao prêmio de R$ 500 mil, na etapa decisiva da disputa, o modelo Flávio Mendonça e a atleta Maurren Maggi, coroada vice-campeã.

A ANFITRIÃ

Visivelmente emocionada no comando das provas eliminatórias exibidas no episódio final, Sabrina cumpriu a difícil tarefa de se despedir dos demais competidores da gincana: a modelo Luiza Ambiel, a ex-panicat Babi Muniz e o veterano em realities Dhomini, no primeiro corte; e, na semifinal, a ginasta Daniele Hypólito, a mãe da cantora Ludmilla, Silvana Oliveira, e o ator Gui Santana (lembrando que  Quitéria e Sérgio se desligaram por motivos alheios ao regulamento).

"Todos eram merecedores do prêmio, e eu ficaria feliz se qualquer um ganhasse. Eles levaram as atividades a sério, deram o melhor de si. Passou um filme na minha cabeça, com a história de cada um ali no reality", declara a apresentadora.

A atração mostrou, em seis episódios de 110 minutos exibidos às 22h30 dos sábados, os bastidores das pitorescas e puxadas provas do game "Big in Japan", importado do Japão.

"Sempre amei esse formato de reality japonês, e fiquei honrada em apresentar este presente que ganhei da Record TV. Foi uma experiência única e recompensadora. Fiquei muito feliz, os participantes entraram de cabeça", diz Sabrina. 

Por vezes presente entre os assuntos mais comentados no popular microblogue Twitter, a competição mobilizou telespectadores nas redes sociais a opinarem sobre polêmicas e declararem a torcida por seus favoritos ao prêmio, agora entregue ao esportista do elenco.

"Richarlyson foi merecedor de sua vitória", conclui a anfitriã. "Adversário incansável, fez uma história muito bonita no programa", completa.

O CAMPEÃO

De fato, o ídolo do futebol teve uma trajetória de foco e superação no Made in Japão, sempre se cobrando para garantir lugar entre os seis primeiros colocados da tabela, já de olho na final. Acabou assumindo o papel de líder em suas equipes e, observador, chegou a mudar estratégias em momentos dramáticos.

Mas como nos intervalos das provas os participantes dividiam uma casa de três cômodos pouco confortável, acabou sendo inevitável que o jogador protagonizasse algumas das principais cenas de turbulência entre esses inquilinos, que moraram juntos por 25 dias.

"Com certeza a parte mais difícil do programa foi o confinamento. Eram dez pessoas com personalidades, ideias e características diferentes. Ninguém era igual a ninguém, e isso, sem dúvida, dificultava a convivência mesmo a gente tendo respeito um pelo outro", avalia Richarlyson.

Mantendo o espírito competitivo e a emoção sempre elevados, o competidor levou para a casa do reality algumas questões de jogo, como nas duas vezes em que se desentendeu com Flávio. Por essas e outras, em comparação ao convívio com os participantes, o atleta arremata que "as provas acabavam sendo o mais fácil de encarar ali, pois só exigiam coisas como concentração, sorte, equilíbrio, velocidade ou precisão."

Na avaliação do vencedor, entretanto, o fato de ser atleta não favoreceu sua jornada. "Começaram a acreditar que eu era forte, e eu, mesmo trabalhando em equipe, sabia que se preocupavam mais com o jogo individual, para eu não pontuar."

O que teria sido determinante para sua vitória, então? "Ter tranquilidade, pensar no grupo e traçar metas. Eu me concentrei e depositei todas as minhas forças nas provas. Queria vencer, mas acima de tudo respeitando todo o mundo. Com isso, fiquei forte mentalmente", lista.

Agora que o objetivo foi alcançado, Richarlyson afirma ainda não ter assimilado a ideia plenamente.

"A ficha começa a cair neste instante, porque os meios de comunicação todos estão falando que ganhei! É uma delícia saber que eu fui o campeão do Made in Japão! A sensação é de dever cumprido, com certeza, por ter feito tudo o que tinha de ser feito, da maneira correta. Ao final, tive a recompensa, que foi o título. É muito gostoso, hoje, poder desfrutar deste momento."



Publicidade

Comentários (0) Postar Comentário

Nenhum comentário encontrado. Seja o primeiro!

Veja também

Publicidade