O Planeta TV

Os verdadeiros heróis da Escola Estadual Carolina Maria de Jesus

Saiba mais sobre a série "Segunda Chamada", da Globo.

por Redação, em 31/08/2019

Jaci (Paulo Gorgulho). Foto: Globo/Maurício Fidalgo

A resiliência começa aos obstáculos de um sistema que sempre deixou a desejar. Passa pelo cuidado especial a uma relação com pessoas de diferentes idades, de diversas vivências. E ainda enfrenta o cansaço de um dia inteiro de trabalho, afinal, eles também encaram uma dupla jornada. A força vem da vocação profissional e da certeza que o papel que exercem é fundamental para reascender a esperança de quem só procura por uma vida mais digna. Na Escola Estadual Maria Carolina de Jesus, o corpo docente do ensino noturno para jovens e adultos não desiste de seus alunos, apesar de todas as dificuldades. Na série ‘Segunda Chamada’, Lúcia (Débora Bloch), Eliete (Thalita Carauta), Marco André (Silvio Guindane) e Sônia (Hermila Guedes) e o diretor Jaci (Paulo Gorgulho), mais do que professores, são praticamente missionários: fazem o que podem – e muito mais do que devem – para garantir a seus alunos o direto a um ensino de qualidade e confirmar o poder da Educação no pontapé inicial para uma vida melhor. 

Na direção da escola, encontramos Jaci. Sempre muito bem-intencionado, ele se sente sobrecarregado por ter que gerenciar as demandas vindas de todos os lados: dos alunos, da escola e dos professores. Por isso, às vezes, acaba tomando atitudes precipitadas, mas com a convicção de que o que importa é o melhor para todos. Um homem prático, comprometido e que também se dedica fielmente à escola, Jaci faz um contraponto com a professora Lúcia, que age de maneira mais impulsiva, e com quem mantém uma bonita (e extraconjugal) relação amorosa. O diretor está sempre tentando evitar que Lúcia se envolva profunda e afetivamente com os alunos. “Jaci é um homem único, bem cartesiano e efetivo. Nele tudo fica um pouco misturado, a praticidade e o amor pela profissão, e é esse o diferencial do personagem”, comenta o ator Paulo Gorgulho.

Lúcia, professora de Português, é a nossa protagonista. Depois de um longo período afastada, a educadora volta às salas de aula com um novo desafio: ensinar para jovens e adultos do ensino noturno. Para ela, o novo horário de trabalho representa também um recomeço, uma nova oportunidade de vida, depois de um trauma pessoal que a transformou completamente e que muda sua relação com os alunos. É dela a frase “O aluno pode desistir da escola, mas eu não desisto do aluno”, uma clara manifestação de seus esforços para evitar a evasão escolar e fazer com que os estudantes mantenham acesa a esperança de dias melhores. “Lúcia é persistente e tem um perfil materno muito forte. Ela não sossega até tentar resolver situações que surgem dentro e fora na escola”, adianta a atriz Débora Bloch.

Também temos Eliete, a divertida, solar e positiva professora de Matemática. Ela nasceu e ainda vive em uma comunidade, e estudou em escola pública, o que faz com conheça bem a realidade dos alunos, facilitando o convívio entre eles. “Eliete tem uma relação horizontal com os alunos, ela é capaz de entendê-los perfeitamente. A personagem tem seus momentos de humor, de acolhimento, mas ela também sabe que, às vezes, é necessário ter pulso firme, principalmente naquele ambiente”, alerta sua intérprete, a atriz Thalita Carauta. Além das salas de aula, Eliete anda pelos corredores da escola com sua sacola de muambas, para a alegria dos alunos e desespero de Jaci. Sempre a fim de um bom papo, a professora é muito próxima de Sônia e sonha em ver a amiga despertando e reconhecendo sua força interior.

Sônia (Hermila Guedes). Foto: Globo/Mauricio Fidalgo

Com uma personalidade oposta à de Eliete, Sônia está cansada e quase desiludida com a educação pública. Além dos desafios profissionais, a professora de História e Geografia carrega até a sala de aula resquícios de seus dramas pessoais, que envolvem dois filhos pequenos, um marido desempregado e uma série de agressões físicas e verbais. Apesar da falta de esperança e de sua personalidade complexa, a professora, a seu modo, também se mostra disposta a ajudar seus alunos e tem em seus colegas de profissão um ponto de apoio, principalmente em sua grande amiga, Eliete. “Sônia é uma personagem de fácil identificação porque tem uma história que, infelizmente, não existe apenas em obras de ficção. Como professora, é apaixonada pelo o que faz e reconhece a força de vontade de seus alunos. Tenho certeza de que Sônia é uma inspiração para muitas mulheres”, afirma a atriz Hermila Guedes.

Completando o corpo docente, temos o professor de Artes, Marco André. Acostumado a frequentar outros tipos de lugar, o professor se difere do restante dos colegas por ter um olhar mais elitizado, voltado para a realidade do ensino privado. Na escola, o educador enfrenta a dura realidade da rede pública e a complexidade dos dramas dos professores e alunos que frequentam o local. Mesmo com todo esse cenário desafiador, Marco André tem um forte motivo pessoal que o estimula a continuar o seu percurso na Escola Estadual Carolina Maria de Jesus. “O Marco André chega à escola por um erro e fica surpreso com a realidade que encontra. É como se ele não se encaixasse naquele ambiente. Mas ele também acredita que aqueles alunos merecem ter contato com outro tipo de disciplina, que é Artes, a sua matéria”, destaca o ator Silvo Guindane.

Com previsão de estreia em outubro, ‘Segunda Chamada’, uma coprodução da Globo com a 02 Filmes, é uma série criada por Carla Faour, Julia Spadaccini e Jo Bilac, escrita por Carla Faour e Julia Spadaccini, com Maíra Motta, Giovana Moraes e Victor Atherino. A série conta com a direção artística de Joana Jabace e direção de Breno Moreira, João Gomez e Ricardo Spencer.



Publicidade

Comentários (1) Postar Comentário

José Ricardo Alves comentou:

Eu como professor, irei amar essa série.

Veja também

Publicidade