O Planeta TV

BBB21: uma entrevista com Arthur Picoli, último eliminado do reality show

"Se eu fosse um vilão, acho que teria saído antes", analisa o ex-BBB.

por Redação, em 28/04/2021
Publicidade

Foto: João Cotta/TV Globo

Foram cinco anos de inscrições até finalmente garantir a vaga no ‘Big Brother Brasil’. Para Arthur, valeu a pena e, hoje, o instrutor de crossfit classifica a experiência de participar do reality como um sonho realizado. Sua passagem pela 21ª edição do programa foi muito além da emoção de deixar uma cidade de apenas três mil habitantes para pisar na casa mais vigiada do Brasil: foram duas lideranças, um anjo e seis paredões enfrentados. Além dos bons resultados nas disputas, o capixaba também viveu o relacionamento mais duradouro da edição, com Carla Diaz, uma amizade ao melhor estilo “carne e unha” com Projota, teve desentendimentos que acabaram fortalecendo sua relação com Fiuk e Juliette e protagonizou momentos muito divertidos com seus companheiros de Top 6 do BBB. “Eu não me perdoaria se eu chegasse aos 80, 90 anos e não tivesse participado do BBB. No jogo, se eu fosse um vilão, acho que teria saído antes, quando o público teve a possibilidade de me eliminar. Eu acredito que posso ter sido um jogador que não teve as melhores decisões”, avalia. No papo a seguir, após deixar a casa com 61,34% dos votos de um paredão com Pocah e Camilla de Lucas, ele revisita boa parte de sua trajetória e fala sobre as expectativas para a vida depois do reality.

Como você avalia a sua participação no BBB 21?

Eu acredito que a minha passagem pelo BBB foi algo que as pessoas vão lembrar quando falarem da temporada. Eu competi, me joguei, errei, acertei, pedi desculpas, perdoei. Eu acho que não foi uma participação apagada. Eu teria ficado preocupado se o discurso do Tiago fosse diferente do que ele fez ontem. Foi fundamental para eu perceber que a minha trajetória foi legal, apesar de tudo. Para mim, foi muito louco. Foi a quarta ou quinta vez que eu me inscrevi e acho que essa edição era mais a minha cara. Se eu tivesse entrado em qualquer outra, poderia não ter sido tão legal, já que eu era mais novo. Eu poderia não ter agido como agi nessa edição, poderia não tido tempo de dar a volta por cima. Eu estou muito feliz por ter realizado um grande sonho. Eu não me perdoaria se eu chegasse aos 80, 90 anos e não tivesse participado do BBB. Esse ano eu não ia me inscrever, por incrível que pareça. Eu estava em Conduru, no meio da pandemia, trabalhando na roça. E acabou que mandei o vídeo no último dia e entrei no Big dos Bigs. Tenho um sentimento de gratidão muito grande pelo programa.

Você se deu muito bem em várias provas do programa, ganhou anjo, duas lideranças, chegou longe em provas de resistência. O que acha que te ajudou nesse resultado: a sua relação com o esporte, um pouco de sorte ou as duas coisas?

Eu confesso que o medo de passar despercebido justamente por não conquistar as coisas lá dentro foi uma questão que mexeu comigo. Se eu tivesse entrado e ganhado só um “Bate e Volta” eu nunca me perdoaria. Eu ia para as provas com o sentimento de quando eu ia para os jogos, para as competição de crossfit. Eu ia pensando em dar o meu melhor, em ganhar. E os benefícios são maravilhosos – eu ganhei uma viagem para a Capadócia! Fiquei muito feliz. Eu acredito que a minha dedicação ao esporte fez com que as coisas acontecessem mais naturalmente. A questão do foco, de estar entregue ao que está fazendo. Um grande exemplo foi a prova dos lanches que eu e o Projota ganhamos, bem no início. Estava todo mundo brincando e nós não trocamos nenhuma palavra durante a dinâmica. No geral, eu estou satisfeito e feliz com o meu rendimento.

Você e o Projota tiveram uma grande identificação, desde o primeiro dia na casa. O quão importante essa amizade foi para você? O que vocês tinham em comum?

Confesso que eu não imaginava. A gente brincava e falava que era a dupla mais improvável, só que no final das contas eu vejo que foi a dupla certa. Podem ter ocorrido inúmeros problemas e conflitos dentro da casa, mas tudo acontece com um propósito. Talvez, se eu não tivesse me aproximado do Projota, eu não teria chegado ao Top 6. Talvez eu fosse campeão... Não sei, não dá para saber. Sou muito honrado pela nossa amizade. Ele fez uma postagem linda para mim quando eu saí; ele já sabia do meu medo de voltar ao mundo real. Então, é só gratidão mesmo pela conexão e sintonia que nós tivemos. Eu acho que, na verdade, a gente só tinha duas coisas em comum: ele também gostava de futebol e videogame (risos). E também é muito apaixonado pela família. Mas nós éramos pessoas totalmente diferentes, por isso a dupla improvável. A gente também tinha muita vontade de estar no programa, algo que também pode ter contribuído para formarmos uma dupla logo no início do jogo.

Você acha que jogou em dupla com ele ou seu jogo era individual?

No início, eu estava bem perdido no jogo e tinha ele como uma âncora para mim. Eu perguntava a opinião dele, falava o que eu estava pensando e o escutava muito ali. Mas acho que, no geral, nós tivemos decisões que foram mais coincidências do que combinações. Teve uma vez que votamos na Thaís e só ficamos sabendo depois que terminou a votação. Quando eu votei no Fiuk, ele não votou. Então, tivemos, sim, situações em que nós jogamos juntos, ele me deu a visão dele e eu acabei cedendo porque achei que era a melhor visão. Houve situações em que a gente discordou e chegou a discutir no gramado. Nós jogamos juntos, mas também pensávamos muito diferente na maioria das vezes.

Quais foram os melhores momentos e os mais difíceis que você viveu no jogo?

Os melhores momentos, sem dúvidas, foram as festas. Acho que todo mundo conseguiu perceber que eu gosto de uma festa. Estava com muita saudade porque aqui fora não dá para fazer isso ainda. Me senti muito privilegiado por ter toda aquela estrutura, artistas... foi muito lindo! As conquistas das provas também foram muito legais. As minhas voltas dos paredões – eu fui para seis – e também teve uma em que escapei no “Bate e Volta”. Até mesmo a parte mais sentimental, quando eu me permiti viver coisas que há muito tempo eu não vivia. Por mais que tenham acontecido algumas questões por conta da minha imaturidade ou falta de experiência, eu também coloco a minha relação com a Carla como um dos meus melhores momentos dentro da casa. E de pior foram as três semanas seguidas que eu fui ao paredão. Eu fiquei muito triste e vieram à tona sentimentos de coisas que eu já vivi aqui fora, uma mania de perseguição, de achar que eu estava sendo rejeitado pela casa por estar recebendo voto em várias semanas. As perdas dos meus amigos e da Carla, que foi para o paredão falso e duas semanas depois foi eliminada no paredão real, também foram difíceis.

Foto: Divulgação/Globo

Como a saída dos seus amigos mais próximos impactou na sua jornada no BBB? Isso te desestabilizou de alguma maneira?

Não tem como você ver seus amigos saindo e você não pensar que é o próximo – eu tinha muita certeza disso. Mas, vieram os paredões e eu fui ficando. Pensei: “Gente, o que está acontecendo? Alguém gosta de mim”. Pegou bastante para mim quando eu vi os meus amigos indo embora. O “loft” (casa dos imunes) parece que durou um ano e foi um dia só. A gente falava dele inúmeras vezes. A perda faz você refletir e enxergar que não está tão bem no jogo quanto você queria estar.

Você foi indicado pela casa para seis paredões, saiu de um na Bate e volta. Você se considerava um vilão desta temporada?

Se eu fosse um vilão, acho que teria saído antes, quando o público teve a possibilidade de me eliminar. Eu acredito que posso ter sido um jogador que não teve as melhores decisões. Eu poderia ser um vilão bobo, porque fazia alguma coisa e depois chorava sozinho, me arrependia. Eu fiz isso muitas vezes. Eu sou assim, coração mole. Em casa, eu choro sozinho e ninguém vê. Ali eu estava chorando em casa também, mas as câmeras estavam olhando para mim (risos). Eu tive que me permitir e aceitar isso também. Mas não me vejo como vilão porque o sentimento nunca foi de fazer mal para ninguém, longe disso. Eu queria ser legal, fazer coisas bacanas, mas muitas vezes eu não conseguia por causa do sentimento de achar que as pessoas poderiam estar me perseguindo. Enfim, um vilão bonzinho, talvez...

Você acabou machucando o ombro em uma das provas e precisou ficar um tempo com ele imobilizado. Como foi passar por isso dentro de uma competição?

Eu confesso que foi assustador porque a última vez em que eu passei por isso eu estava me preparando para um campeonato de crossfit, então foi um balde de água fria. Estava no meio de um processo seletivo e não podia aparecer numa videochamada com a tipoia; tive que cortar um dobrado. Dessa vez, foi uma sensação de superação ter saído da casa, ter toda a estrutura que me ofereceram, ser atendido com tanto carinho. E voltar para a casa, continuar no jogo, foi muito bom. Eu estava com muito medo do que poderia acontecer, de eu precisar ficar fora do programa. A gente chega num momento do game que não é mais só R$ 1,5 milhão. É claro que deve ser incrível ganhar o prêmio, só que você começa a pensar em tudo, e vai batendo o sentimento de perda. Ter dado a volta por cima, ganhado a prova de tipoia, jogando com o braço esquerdo, foi muito maravilhoso. Foi uma forma de mostrar a minha força para mim mesmo, não para os outros. Eu achava que não ia ganhar mais provas, não ia fazer mais nada. Pensei que seria paredão e monstro, um atrás do outro. Acabou que na questão do monstro a galera deu um refresco, porque não dava para colocar as fantasias. No geral, me deu uma motivação, sim, porque nada aqui fora é fácil. Acho que a tipoia ali foi mais um adversário, talvez o meu pior no jogo. Eu me considerava meu maior adversário e acho que a tipoia conseguiu ocupar esse posto. Mas foi dada a volta por cima e isso me tranquiliza.

No início do programa você comentou sobre um possível interesse na Thaís, mas depois decidiu se declarar para a Carla Diaz. Um relacionamento no BBB fazia parte dos seus planos?

Eu até tive uma discussão com a Pocah, no dia do jogo da discórdia em que eu briguei com o Fiuk, sobre não ter ido lá para fazer amigos, e depois comecei a chorar. Não tem como a gente não se envolver. É um jogo de relações pessoais mesmo, você tem que conversar, se aproximar das pessoas. Mas eu juro que eu não fui com intenção de ter um relacionamento com alguém. No início, eu me aproximei muito da Thaís, a gente teve uma conexão legal. Frequentávamos os mesmos lugares aqui no Rio de Janeiro e tínhamos coisas em comum para conversar, só que eu nunca conversei com ela sobre algo do tipo. Eu posso ter externado algum sentimento para uma pessoa próxima a mim, assim como no final a gente ria disso. Foi uma parada bem leve para mim. Depois eu tive uma conexão com a Carla, que começou com um inhame (risos). Ela disse: “Nossa, você descasca diferente...” E aí começou todo o nosso romance. Não estava nos meus planos, mas não me arrependo também de ter encontrado, conhecido a Carla e ter me relacionado com ela. Nem um pouco.

Apesar de estarem juntos, você e a Carla votavam em pessoas diferentes. O seu namoro com ela chegou a interferir de alguma maneira no seu jogo?

Eu sempre fui bem tranquilo e, às vezes, a galera ficava chateada comigo porque eu recebia voto e ficava de boas; outras vezes eu sentia mais. Mas é uma situação muito delicada o relacionamento no jogo – já fica aí a dica para quem for entrar nas próximas edições. É difícil quando você está com uma pessoa que não faz parte do mesmo grupo de amigos que você, nem você do grupo de amigos dela. Várias pessoas próximas a ela votaram em mim, se não me engano, Camilla, João e Thaís. É complicado separar os sentimentos. Eu acho que a gente daria muito certo se não tivesse o jogo interferindo. Tinha horas em que a gente estava chateado com o jogo e acabava descontando um no outro. Ia dar um “bom dia” e já virava aquela coisa ácida na porta do confessionário; passava o dia de nariz torcido. Não acredito que o nosso relacionamento tenha atrapalhado o jogo. Eu acho que o jogo atrapalhou o nosso relacionamento. Eu prefiro ver dessa forma, porque é muito difícil conciliar as duas coisas lá dentro. A pessoa que dorme com você é amiga de quem te quer fora do programa. Assim como ela teve uma situação com o Projota, em que ela não ficou feliz e eu entendi perfeitamente.

Pretende levar a relação adiante, fora da casa?

Uma das primeiras coisas que eu quero resolver aqui fora é essa. Mesmo que seja para a gente sentar e ter uma conversa para escutar o que eu não quero. Eu quero, sim, ver o que ela tem para falar e também quero pedir desculpas por qualquer coisa. E a partir daí a gente vê se compensa. Eu fiquei muito feliz porque soube que tem muita gente que gostou de nós juntos. Isso me confortou de certa forma e me deixou mais tranquilo. Tem gente que ainda shippa o casal, e já faz mais de um mês que a gente não se vê. As pessoas ainda estão na esperança. Eu não vou gerar expectativa, mas é algo que eu quero conversar e, se for da vontade de ambos, vamos tentar. Vai ser muito bom não ter que votar em ninguém e ter a relação ao mesmo tempo (risos).

Você protagonizou diversos desentendimentos com o Fiuk até fazerem as pazes, nas últimas semanas. O que te incomodava nele? Ele era seu maior rival?

Tudo começou quando eu vetei ele de uma prova. O meu primeiro veto foi o Gil e eu não imaginava que teria um segundo. Eu olhei para o sofá e estava todo mundo cabisbaixo, algumas pessoas me olhando com medo. Ele era a única pessoa que estava sentada atrás de mim; é mais fácil a gente fazer as coisas sem olhar para a pessoa. Aí eu vetei ele e depois falei na cozinha que não me sentia bem com aquilo, que estava envergonhado com a minha atitude. É um cara que eu admiro, já vi novela dele aqui fora – acompanhava ‘Malhação’, quando ele fazia o Bernardo; minha família é fã do Fábio Júnior. Enfim, uma pequena decisão começou a gerar alguns atritos e a troca de farpas, que não eram só da minha parte. Ele jogava umas alfinetadas e eu sou meio impulsivo, tem horas que não consigo ficar quieto. Jurei que se eu ganhasse os anjos colocaria sempre ele no monstro (risos). Esse é o Arthur, às vezes, a minha forma de explodir. Eu acho que foi uma bobeira, um ressentimento do início, uma falta de se sensibilidade da minha parte. Eu poderia ter chegado e pedido desculpas. Mas, antes tarde do que nunca. Quando eu ganhei a minha segunda liderança, foi muito de coração a questão de ter levado ele para o Vip. Eu deixei muito claro para ele que não era sobre voto, tanto é que ele votou em mim no último paredão. Confesso que eu não fiquei satisfeito porque sentia que era um paredão em que eu podia sair. Mas levei ele para o Vip porque eu realmente estava cansado de brigas. Depois a gente acabou brigando de novo, na semana seguinte, no jogo da discórdia. Ali foi a briga mais pesada e também o momento em que a gente colocou a mão na consciência e viu que a gente se gostava. Ele viu em mim um Fiuk de quatro, cinco anos atrás, que tinha atitudes semelhantes. Depois ele me consolou no meio de uma festa. Para mim foi muito importante ter saído da casa com esse sentimento de termos nos perdoado. Acredito que foi um mal-entendido e que aqui fora a gente vai se dar muito bem. Eu vejo como rival no jogo, que tinha uma opinião diferente, um grupo diferente. Mas nas festas estávamos sempre nós dois no final, abraçados, cantando (risos). Deve ter sido bem engraçado de assistir.

Que amizades você pretende manter fora do BBB?

O Projota foi o cara que esteve mais próximo a mim. As vezes em que ele teve que apontar para mim, ele fez, não passou a mão na minha cabeça. A Carla, a Pocah também. Eu fiquei sabendo hoje que a torcida dela veio para cima de mim, não entendi nada, já que eu estava protegendo ela lá dentro, tentando fazer o certo. Eu acho o Caio uma pessoa com o coração gigante, super engraçado, alto astral, família. Me espelho muito na relação dele com a esposa e é um cara que eu tenho vontade de manter a amizade. Tem o Gil, que eu passei a amar. A gente começou se votando, na “cachorrada”, como ele fala. E no final das contas, um respeito absurdo, um carinho, brincadeiras que todo mundo disse que foi divertido ver. Esses cinco são os principais, mas, como eu falei, quero carregar todo mundo do lado esquerdo do peito e espero ter uma relação muito boa aqui fora.

Foto: Reprodução/TV Globo

O que o BBB representou na sua vida?

Quando eu me mudei para o Rio de Janeiro, eu vim contratado por uma empresa; antes eu morava em Conduru. Eu estava há quatro anos tentando entrar nessa empresa e, de repente, um dia, eles me chamaram para fazer um teste, no qual eu fui aprovado. No dia em que eu sentei para assinar o meu contrato, eu falei para a minha patroa que só duas coisas me tirariam do meu trabalho sem pensar duas vezes: o BBB e o Flamengo, que é meu time do coração, onde eu tenho o sonho de trabalhar com preparação física, que é a minha área. Quando o BBB surgiu na minha vida, eu estava dando aula. Apareceu notificação no relógio e eu deixei a aula no meio do caminho para ver o que estava acontecendo. Hoje eu coloco o BBB ao lado do nascimento do meu sobrinho como o momento de maior emoção e realização para mim. Como eu falei, eu não me perdoaria se, com 80 ou 90 anos, eu não tivesse entrado no programa, não tivesse feito o que eu fiz, jogado, me arriscado. Se não tivesse deixado a minha vida aqui fora sabendo dos riscos. Eu coloco o BBB no lugar mais alto da prateleira lá de casa. Eu tenho um carinho enorme e uma admiração pelo programa. Eu nunca mais vou conseguir ver da mesma forma, nunca mais vou jugar alguém que entra no confessionário, dá uma pipocada e vota por afinidade, nem no jogo quando dá a plaquinha para o amigo. Não tem mais como eu apontar o dedo para ninguém. Eu vi de dentro para fora e de fora para dentro já. Sou privilegiado. Não são nem 500 pessoas no país que já passaram por essa experiência. O BBB está no Top 1 da minha vida.

O que você acha que faltou para chegar mais longe na disputa por R$ 1,5 milhão?

Eu acredito que esse é um jogo de relações interpessoais, a gente tem que se relacionar. No início, eu estava muito fechado pela comodidade de ter o Projota, alguém ali sempre que eu quisesse conversar, e de repente não precisar falar com outras pessoas. Se eu tivesse sido o Arthur dessa reta final, que a galera falou que estava legal de ver, divertido, eu teria mais chance. Só que eu poderia também ter me perdido no caminho e não ter chegado nem ao Top 6. Eu estou muito feliz com o que eu fiz. Faria um pequeno ajuste para as coisas saírem de uma forma melhor. Mas acho que aconteceu como tinha que acontecer. É como o Tiago falou no meu discurso ontem: se deixassem a edição do programa na minha mão para tirar as partes que eu não queria ver, seria um fracasso a minha participação.

Quem chega à final do BBB 21? E para quem fica sua torcida?

Eu já tinha comentado com a Pocah que eu achava que as personalidades do Gil e da Juliette eram muito fortes. Inclusive, quando eu fui líder e coloquei ela no paredão, eu disse que poderia estar indicado a pessoa mais forte aqui fora. E falei dela segunda-feira, que mesmo nas brigas, estava sempre segurando a minha mão, me acalmando. Eu vejo a Ju e o Gil como finalistas e acho que, pelas circunstâncias de jogo, o Fiuk chega no Top 3. Acho que a galera vai para cima da Pocah nesse paredão. A Ju e o Gil são duas pessoas muito especiais para mim, mas a torcida vai para o Gil, de quem eu me aproximei mais no final.

Quais são seus planos daqui para frente?

Fiquei sabendo hoje que a minha academia em Conduru está terminando de ser construída – era um sonho que eu tinha. Lá era o meu projeto social e quando eu “quebrei” na pandemia, precisei deixar parado. E agora meu pai está reconstruindo do lado da nossa casa. Pretendo continuar na minha área, que é o que eu gosto de fazer. E voltar a ajudar minha galera de Conduru porque agora eu sou o Arthur Picoli de Conduru. Estou muito feliz com isso. Conduru é meu refúgio: quando tudo desanda é para lá que eu vou. Pego minhas cachorrinhas, vou correr, tomar banho de rio com elas. É onde estão minha família e meus amigos mais próximos. Eu também quero voltar a trabalhar como modelo, ver se eu ainda tenho jeito para a coisa aqui fora.

O 'BBB 21' tem direção geral de Rodrigo Dourado e apresentação de Tiago Leifert. O programa vai ao ar segundas, terças, quintas, sextas e sábados, após ‘Império’, quartas, após o ‘Futebol’, e domingos, após o 'Fantástico'.


Deixe o seu comentário


Publicidade


Comentários (0) Postar Comentário

Nenhum comentário encontrado. Seja o primeiro!

Publicidade

Veja também

Publicidade